Oficiais da inteligência sul coreana acusaram a Coreia do Norte de estar patrocinando hackers, sendo estes responsáveis por roubos de criptomoedas cujo valor equivale a bilhões de wons (moeda sul coreana).

Durante um briefing no parlamento sul coreano, nesta segunda-feira, a agência de inteligência sul coreana abriu a membros do governo e aos legisladores do país, relatórios de longos períodos que apontam que exchanges sul coreanas foram roubadas por hackers norte coreanos, rendendo aos mesmos dezenas de milhões de dólares em 2017.

Sem revelar o nome das exchanges hackeadas, Kim Byung-kee, um dos membros do comitê parlamentar de inteligência sul coreana, disse aos legisladores em uma declaração registrada pela Reuters:

“A Coreia do Norte enviou e-mails capazes de hackear exchanges e obter as informações pessoais de seus clientes, roubando bilhões de won em criptomoedas.”

Citando fontes do parlamento, uma rede midiática coreana, Kyodo News, relatou que o Serviço de Inteligência Nacional (NIS) acredita que a Coreia do Norte continua tentando ativamente hackear exchanges sul coreanas, visando roubar mais criptomoedas.

Notadamente, a notícia revela ainda haver uma investigação em curso do NIS, com o intuito de averiguar se a Coreia do Norte teve envolvimento no roubo de $534 milhões da exchange japonesa Coincheck, ocorrido no último mês.

Leia mais: Bitcoin ao longo dos anos; histórico das quedas sofridas pela maior criptomoeda do mercado

Ano passado, a Bithumb foi alvo de um hack resultante na perda de dados pessoais de 31000 usuários e centenas de milhões de wons. Agora, o NIS alega ter coletado evidência suficiente para sugerir que a Coreia do Norte estava envolvida no hack e no subsequente roubo, que foi propiciado através de e-mails com conteúdo malicioso enviados aos funcionários da exchange.

A Coreia do Norte tem sido continuamente acusada de roubo de criptomoedas pela Coreia do Sul e outros países nos últimos anos, levantando questões acerca de uma possível pilha de criptomoedas sendo acumulada pelo regime de Kim Jong-Un. Segundo algumas estimativas – não há como ter certeza – a Coreia do Norte possui um “exército” de 1700 hackers patrocinados pelo estado, estes auxiliados por um grupo de 5000 indivíduos.

No início de 2017, uma firma de cibersegurança sul coreana alegou que hackers norte coreanos roubaram mensalmente uma quantia em bitcoins, cujo valor beirava 100 milhões de won (aproximadamente $90000), de 2013 a 2015, visando aumentar suas reservas de criptomoedas como medida para driblar as sanções econômicas enfrentadas pelo país.

Relatos frequentes apontam que exchanges sul coreanas são os alvos mais comuns, conforme se examina no relatório da firma de cibersegurança FireEye, que informou que hackers norte coreanos têm roubado bitcoin para sustentar a elite de Pyongyang, bem como o regime de Kim Jong Un.

Em dezembro, a exchange Youbit declarou falência após o roubo de 17% de suas reservas de bitcoin de uma hot wallet. Hackers norte coreanos são tidos como os principais suspeitos por trás do roubo.

Leia mais: Maioria das exchanges sul coreanas não conseguem usar sistema mandatório do governo

A Agência de Polícia Nacional sul coreana (NPA) publicou suas descobertas obtidas através de suas próprias investigações, onde foram observados diversos incidentes ocorridos em exchanges localizadas em solo sul coreano. No relatório contendo as descobertas da NPA, a polícia confirmou que hackers norte coreanos atacaram 25 funcionários de quatro exchanges sul coreanas diferentes com, pelo menos, 10 ondas de phishing.

Fonte: CCN.com

Edição: Webitcoin