Todos os fundos roubados

De acordo com executivos japoneses da CoinCheck, uma das principais exchanges do Japão, mais de $530 milhões de dólares em NEM foram roubados de sua plataforma de negociação.

A MineCC, analista japonesa de criptomoedas, noticiou que durante uma conferência pública oficial, os executivos da CoinCheck admitiram que todos os fundos armazenados em sua hot wallet (carteira online) foram roubados por um grupo de hackers desconhecidos.

Diferente das cold wallets (carteiras offline), que são seguras e mantidas offline, as hot wallets podem ser acessadas se os servidores forem atacados por hackers. Sendo assim, a maioria das grandes exchanges apenas armazenam uma pequena quantidade de fundos em hot wallets e o resto é seguramente armazenado em cold wallets, mantido offline e fora do alcance de hackers.

“Era difícil para gerenciarmos uma cold wallet,” disse a equipe da CoinCheck.

Apesar de ainda não estar claro se outras criptomoedas foram roubadas da exchange, até o momento, a CoinCheck confirmou que $530 milhões equivalentes em NEM foram roubados. Os desenvolvedores e a comunidade de desenvolvimento de código aberto do NEM reafirmaram que um hard fork não será executado para recuperar os fundos perdidos de uma exchange centralizada.

Leia mais: Coincheck congela todos os saques após retirada de 723 milhões de dólares

Quem é o culpado?

O Japão é o maior mercado de criptomoedas do mundo, com volumes de negociação diárias significativamente maiores do que os mercados dos EUA e da Coreia do Sul. O país também possui um programa rígido de licenciamento para as exchanges cripto, criado com o objetivo de assegurar a qualidade das medidas e da infraestrutura de segurança utilizado por tais plataformas.

 

Executivos da CoinCheck em uma conferência de imprensa, divulgando o ataque hacker. Imagem por MineCC

Os Investidores ficaram chocados com o ataque cibernético, até porque a CoinCheck é uma das maiores exchanges de criptomoedas no mercado japonês, atrás apenas da BitFlyer.

O ataque na CoinCheck foi denunciado à agência japonesa de serviços financeiros (FSA), e é esperado que várias agências do governo estejam envolvidas com a investigação do ataque à exchange.

Fonte: CCN.com