News

Gigante japonesa começa a mineração de Bitcoins na Europa

por Rodrigo Camilo

21/12/2017 - 1:20 pm

Mineração Japonesa na Europa

A corporação japonesa de internet e tecnologia GMO Internet Co. deu início a seu empreendimento de mineração de criptomoedas no norte da Europa.

Em um anúncio em setembro, a empresa de Tokyo – GMO Internet – anunciou sua intenção de investir cerca de $3 milhões de dólares em uma operação de mineração de bitcoins no primeiro semestre de 2018. Naquela época, a empresa disse acreditar “que as criptomoedas se tornarão as novas moedas universais”, e acrescentou que elas estarão “disponíveis para serem utilizadas por qualquer pessoa de qualquer país ou região para serem negociadas livremente”. Em setembro, a corporação multi bilionária já estava com sua exchange de bitcoins em funcionamento. Sua exchange foi lançada um mês depois que a legislação japonesa reconheceu o bitcoin como um método legal de pagamentos em abril.

Acelerando seus objetivos, a empresa regulamentada iniciou oficialmente seu negócio de mineração cripto através de sua entidade jurídica na Europa.

Nossa mineração cripto usará a tecnologia existente nas instalações de centros de mineração no norte da Europa,” dizia um anúncio da corporação. “A GMO Internet aumentará o tamanho da operação em fases, consequentemente, expandindo os negócios.

Leia mais: Mercado financeiro perde seu otimismo após fim da euforia com contratos futuros

Venderemos placas de última geração

A corporação não revelou a localização exata de seu centro de mineração, entretanto, ela confirmou que estava “utilizando a abundante energia renovável presente no norte da Europa.” Conforme divulgado anteriormente, o centro de mineração é uma instalação com o objetivo de produzir 500 petahashes por o segundo (PH/s).

Otimista com sua participação na mineração, a OGM também revelou que está em andamento uma pesquisa e um processo de desenvolvimento com um parceiro que possui tecnologia de design de semicondutores para a próxima geração de placas de mineração, equipada com chips de mineração com nós de 7 nanômetros.

Além disso, a corporação revelou planos para a venda de placas de mineração:

“Depois que ganharmos um determinado nível da experiência operacional, nós trabalharemos em novas iniciativas, incluindo o fornecimento de um serviço mineração em nuvem e a venda de placas de última geração equipadas com chips de mineração.”

Fiel a sua palavra de reconhecer as criptomoedas como as “novas moedas universais”, a GMO está entre as primeiras empresas a efetuar pagamentos para 4.710 empregados de tempo integral com bitcoins.

Fonte: CCN.com