O maior banco da Rússia, o estatal Sberbank, reiterou que não minera criptomoedas. Contudo, o banco afirmou que frequentemente descobre seus funcionários minerando-as utilizando equipamentos do banco.

Leia mais: Bosch investe em IOTA e esboça plano de investimento em blockchain

Sberbank afirma não minerar criptomoedas

O banco estatal Sberbank é o maior banco da Rússia, e o terceiro maior da Europa. O banco tem posse de muitos chips gráficos que podem ser usados para minerar criptomoedas. O vice-presidente sênior da instituição, Alexander Vedyakhin, pediu desculpas publicamente em novembro do ano passado por reduzir os números de chips gráficos do mercado russo.

Desde que admitiu estar adquirindo muitas das placas de vídeo do mercado russo, o Sberbank insistiu que não está usando-as para minerar. Vedyakhin alegou que tais produtos são para o laboratório de desenvolvimento de inteligência artificial do banco.

Leia mais: Cientistas russos presos após minerar criptomoedas em laboratório nuclear

Na última quarta-feira, o diretor do conselho do banco, Herman Gref, reiterou no fórum “Líderes da Rússia” que o Sberbank não está minerando criptomoedas a nível corporativo. Contudo, declarou:

“Nós compramos placas de vídeo com uma configuração ligeiramente diferente. O Sberbank não está envolvido com mineração, mas nós constantemente descobrimos funcionários do banco praticando-a através da utilização de nossos equipamentos.”

Gref elaborou que o banco não está interessado em minerar, pois este é um “negócio primitivo”, acrescentando:

“Eu posso listar uma dúzia de objetos de investimento com ganhos maiores.” 

Herman Gref, direitor do conselho do Sberbank

O envolvimento do Sberbank com criptomoedas

No final de janeiro, o Sberbank anunciou que sua subsidiária na Suíça passaria a oferecer trocas de criptomoedas. A “parte suíça” do plano visa evitar a violação de regras russas. Enquanto isso, os reguladores russos estão trabalhando na finalização de uma estrutura legal para criptomoedas e ICOs.

Ademais, o banco abriu um laboratório de blockchain no último mês para pesquisar o que há de mais novo nesta área.

“O laboratório prestará cooperação a startups, associações e várias comunidades,” informou a RBC, acrescentando que o banco introduzirá “programas educacionais nesta área.”

Gref também declarou recentemente que se opõe ao banimento de criptomoedas, além de pedir tolerância e paciência nas regulamentações relacionadas às mesmas. Nas palavras dele:

“Antes de regulamentar, não é necessário que a ação seja uma investida, mas sim uma tentativa de manter um cenário estável para as tecnologias envolvendo blockchain e criptomoedas.”

Fonte: Bitcoin.com

Edição: Webitcoin