Metaverso: 5 Fatores que impulsionaram os preços dos terrenos

Investidor de fundos de Hedge, destaca quais fatores são responsáveis para impulsionar os preços os terrenos no Metaverso

Metaverso

Os preços dos imóveis no Metaverso são determinados principalmente pelo número de pessoas que serão expostas a ele e quão bem ele pode ser transformado em uma máquina geradora de rendimento para seus proprietários por meio de várias estratégias de monetização, um diretor de fundo de hedge especializado em ativos digitais argumentou em um novo ensaio, conforme publicado por CryptoNews.

Joel John, diretor da empresa de investimentos focada em ativos digitais LedgerPrime , abriu seu ensaio dizendo.

O que significa ser um ‘vizinho’ no Metaverso? Por que isso importa mesmo? E se Snoop Dogg tivesse várias casas no Metaverso? Os preços dos terrenos perto de todas essas casas recebem um prêmio? Francamente, ninguém sabe.

Ele continuou explicando que, diferentemente dos tokens, que podem ser divididos em partes menores, os terrenos digitais no Metaverso geralmente exigem quantidades significativas de capital para serem compradas. Por exemplo, ele disse que o preço médio de um terreno em The Sandbox (SAND) é de cerca de US$ 10.399, enquanto é de aproximadamente US$ 11.954 para um terreno em Decentraland ( MANA ).

Para entender esses preços, John escreveu é importante primeiro entender o que realmente é a terra no Metaverso. E, segundo ele, nada mais é do que “uma trama onde você pode expressar qualquer coisa digitalmente”.

Metaverso
Fonte: On Metaverse Real Estate / Joel John

Mais especificamente, o investidor profissional argumentou que existem cinco fatores principais que podem impactar o valor de um imóvel digital:

1- Passo geral
2- Proximidade Memética
3- Contexto Geoespacial
4- Financeirização
5- Design

O primeiro deles, o “Passo geral” refere-se ao número de pessoas que serão expostas a um imóvel digital, assim como os imóveis comerciais tradicionais são mais caros em áreas por onde muitas pessoas passam.

Em seguida, vem o que o autor chama de “proximidade memética“, que ele descreveu como a capacidade de estar perto de algo ou alguém no Metaverso que deve gerar atenção.

Além disso, o Contexto Geoespacial tem a ver com como alguém pode ganhar reputação por possuir o mesmo ativo que uma pessoa conhecida possui, ou por possuir um pedaço de terra próximo a uma pessoa ou empresa famosa.

Em seguida, a Financeirização refere-se à crescente interconexão entre as finanças e o Metaverso, com várias estratégias de investimento empregadas para obter lucros ou gerar rendimentos a partir de imóveis digitais. Por exemplo, o rendimento da terra do Metaverso pode vir do aluguel de terras ou da divisão da terra em frações que as pessoas podem comprar a preços mais baixos, sugeriu John. Os terrenos digitais mais adequados para essas estratégias serão mais valorizados, disse ele.

Por fim, o valor do terreno do Metaverso sempre será influenciado pelo Design do jogo em que ele está. Se os gráficos e a arte interna de um jogo são “impressionantes”, é provável que os desenvolvedores leiloem lotes de terreno no jogo. Os proprietários de terras poderiam então anunciar ou cobrar taxas de outros usuários pelo uso da terra ou por deixá-los passar por ela, escreveu John.

Enquanto isso, contrariando um argumento comumente ouvido de que a terra do Metaverso não pode valer muito porque pode ser gerada indefinidamente, John afirmou que acredita que esse argumento se baseia em uma lógica falha.

Conforme ele disse:

É o mesmo que dizer que blogs não valem muito porque são inúmeros blogs. O valor de um terreno no Metaverso é diretamente proporcional à quantidade de atenção que recebe em diferentes pontos no tempo.

Comentando sobre a diferença entre investir em terrenos do Metaverso e criptoativos tradicionais, o investidor observou que esses dois tipos de ativos digitais não serão negociados da mesma forma. A razão para isso, ele argumentou, é que os altos custos das terras digitais significam que a maioria dos proprietários optará por “desenvolver” suas terras.

Esses lotes têm uma alta barreira de entrada e, mesmo quando um coletivo os possui, eles são incentivados a desenvolvê-los em vez de revendê-los imediatamente por um dinheirinho rápido.

John concluiu que, em sua opinião, as atuais terras do Metaverso governadas por organizações autônomas descentralizadas (DAOs) são “simbólicas de onde a internet pode se tornar em partes e peças, descentralizada, de propriedade do usuário e um pouco louca”, acrescentando:

O futuro, aos meus olhos, é um remix do passado.

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno.Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_