A mineração de bitcoin será totalmente renovável em 2030 afirma o CEO da SkyBridge

A mineração de bitcoin será totalmente renovável em 2030, afirma Anthony Scaramucci, CEO da SkyBridge.

A empresa de investimento global – SkyBridge Capital – fez parceria com a empresa de tecnologia climática – MOSS Earth – para comprar e, respectivamente, retirar tokens que representam quase 40.000 toneladas de CO2. A mudança teria como objetivo compensar a pegada de carbono da rede Bitcoin.

Ambições da SkyBridge em relação ao Bitcoin Verde

De acordo com um comunicado à imprensa datado de 2 de agosto, a SkyBridge Capital se uniu à plataforma ambiental MOSS Earth para comprar e retirar imediatamente 38.436 toneladas de carbono. A transação neutralizaria a pegada de CO2 estimada do BTC gerada a partir dos fundos multiestratégia da SkyBridge, bem como do First Trust SkyBridge Bitcoin Fund.

O fundador e CEO da SkyBridge – Anthony Scaramucci – criou esperanças de que, em menos de 10 anos, a mineração BTC pode se tornar totalmente renovável:

“Projetamos que a mineração de bitcoin será totalmente renovável até o final da década. As compensações de carbono representam uma forma eficaz de tornar a rede bitcoin mais verde e facilitar a adoção por investidores com mentalidade ESG. ”

  • A mineração de bitcoin será totalmente renovável em 2030 afirma o CEO da SkyBridge.

Por sua vez, o CEO e fundador da MOSS Earth – Luis Adaime, elogiou a iniciativa da SkyBridge:

“A iniciativa da SkyBridge para compensar as emissões de gases de efeito estufa causadas pelo bitcoin em seus fundos é provavelmente a maior já feita por um investidor institucional e um exemplo a ser seguido pela comunidade de investidores.”

Ele acrescentou que neutralizar as emissões de CO2 do BTC é um passo importante para estimular a migração da indústria de mineração para fontes de energia renováveis. Além disso, a mudança teria um impacto positivo no planeta.

Gemini pretende compensar suas próprias emissões de CO2.

Como o CryptoPotato relatou no final de junho, a exchange de criptomoedas administrado pelos gêmeos Winklevoss – Gemini – anunciou uma iniciativa de longo prazo chamada Gemini Green. Sua missão seria agregar práticas ambientalmente conscientes aos seus negócios.

A exchange fez parceria com a Climate Vault e prometeu comprar 350.000 toneladas métricas de carbono com o objetivo de descarbonizar o Bitcoin. Um dos fundadores da Gemini – Tyler Winklevoss – comentou:

“Como o Bitcoin emerge como uma reserva de valor dominante, é imperativo que incorporemos a sustentabilidade para as gerações futuras. Temos orgulho de nos associar à Climate Vault para compensar nossa exposição à mineração não renovável e contribuir para a descarbonização do bitcoin. ”

Curiosamente, a quantidade de carbono que a Gemini planeja comprar equivale a cerca de um bilhão de milhas dirigidas por um automóvel de passageiros comum.

No início do ano, duas outras importantes exchanges de criptomoedas anunciaram que se tornariam neutras em carbono. Primeiro, a FTX com sede em São Francisco declarou tais intenções:

“BTC não é o maior uso de energia, mas levamos a sério o nosso impacto no mundo. Para esse fim: a FTX está comprometida em ser neutra em carbono.”

Pouco depois, a bolsa de derivativos baseada em Seychelles BitMEX veio em seguida. A plataforma confirmou que iniciaria um regime de compensação de carbono e doaria US$ 0,0026 para cada US$ 1 de taxas de blockchain que seus clientes pagassem.

 

Fonte: CryptoPotato

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8