Alemanha gerencia mais nós de Bitcoin do que os EUA

Pela primeira vez, a Alemanha ultrapassou os Estados Unidos , que sempre foram os líderes em número de nós de Bitcoin.

Segundo os dados divulgados pela Bitnodes , empresa responsável por estimar o tamanho da rede Bitcoin, encontrando todos os nós alcançáveis ​​da rede, a Alemanha gerencia mais nós de Bitcoin do que os EUA.

O registro de nós Bitcoin

A metodologia atual envolve o envio recursivo de mensagens getaddr para encontrar todos os nós alcançáveis ​​na rede, a partir de um conjunto de nós nodes.

Atualmente, de acordo com estimativas do site Coindance, existem 10.895 nós de bitcoin alcançáveis ​​globalmente, ou seja, nós que permitem conexões de entrada.

Destes:

1833 estão na Alemanha,
1821 nos Estados Unidos,
549 na França
400 na Holanda.

O Canadá é o sexto, enquanto a China teria apenas 152 nós de bitcoin.

Em 5 de julho, de acordo com os dados da Bitnodes, um máximo histórico de nós de Bitcoin foi atingido em 13.374 . Em abril de 2019, a Alemanha quase ultrapassou os Estados Unidos, respondendo por quase 20% do total de nós de Bitcoin, enquanto os Estados Unidos estavam com 25%.

Com a maior parte, com mais de 98% dos nós gerenciados em sua rede, está o software cliente Bitcoin Core desenvolvido por Wladimir J. van der Laan, baseado no código de referência escrito por Satoshi.

Gerenciamento de nós Bitcoin e Ethereum na Alemanha

Nos últimos sete dias, a Alemanha também subiu para o segundo lugar em nós de Ethereum , de acordo com a classificação do Etherscan, atrás dos Estados Unidos.

É bastante peculiar que a Alemanha exceda em muito outros países onde a mineração de criptomoedas certamente parece mais difundida, mas evidentemente, de acordo com o especialista, Berlim pode ter se tornado uma espécie de centro secreto nos últimos meses para aqueles que talvez emigraram da China, após a proibição da mineração impostas pelas autoridades .

Alemanha, um novo centro de criptoativos?

Desde que a China proibiu muitas das atividades relacionadas a criptomoedas na primavera passada, principalmente a mineração muito cara (em termos de energia), muitos mineradores começaram a buscar locais alternativos, como Cazaquistão , Afeganistão (antes da crise), Canadá e Texas. Mas muitos afirmam que também a Alemanha, e especialmente Berlim, se tornou um lugar escolhido por alguns mineiros para continuar suas atividades.

A Alemanha, embora mantenha uma atitude cautelosa em relação ao mundo cripto, mostra-se, no entanto, como um dos países europeus mais avançados no setor, também do ponto de vista legislativo e fiscal. Em abril foi introduzida a Lei Alemã de Localização de Fundos, que foi aprovada no final de junho, permitindo que “Spezialfonds”, ou fundos especiais, investissem até 20% de suas carteiras em criptomoedas.

A Alemanha está se tornando um país cada vez mais favorável para investimentos em novas moedas digitais . Embora as criptomoedas sejam tributáveis, os impostos não precisam ser pagos se uma cripto for mantida em sua carteira por mais de um ano. O governo anunciou que as criptomoedas são como uma propriedade.

As regulamentações a esse respeito são administradas por bancos e instituições financeiras para garantir que atividades criminosas não ocorram, porque as criptomoedas são consideradas propriedade para todos os efeitos e propósitos.

Outro elemento que é muito apreciado pela comunidade de criptomoedas são definitivamente os rígidos regulamentos de privacidade.

Thomas Schouten, chefe de marketing da Lisk, a plataforma líder da Alemanha para aplicativos descentralizados, fundada em 2016, comentou sobre esses números dizendo:

“As estatísticas que mostram uma concentração significativa de nós de Bitcoin na Alemanha ilustram uma tendência maior dentro do país. De Berlim e Hamburgo a Munique e Frankfurt, a tecnologia blockchain é usada e desenvolvida por indivíduos e empresas”.

Ele também acrescentou que a cidade que vem apresentando taxas de crescimento vertiginosas nos últimos dois anos é, na verdade, Berlim:

“Os nós de Bitcoin são apenas a ponta do iceberg”.

 

Fonte: Cryptonomist

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8