Após uma queda de 80% em 2018, o que esperar do Bitcoin em 2019?

Entenda as expectativas para o próximo ano

Graças às decorrentes quedas registradas durante o ano, o Bitcoin deve terminar 2018 com uma queda de 80% em relação ao seu grande recorde de US$19.500 em 2017.

Mesmo com o mercado de baixa e a forte liquidação no mês de dezembro, o próximo ano reserva boas notícias para o setor.

Já no primeiro trimestre, a Bakkt, bolsa operada pela ICE, deve lançar um mercado futuro de Bitcoin. Ainda mais, recentemente o WeBitcoin noticiou que a plataforma arrecadou mais de US$180 milhões para o investimento em criptomoedas de grandes empresas como Galaxy Digital e Microsoft.

O lançamento do mercado futuro poderá apresentar um impacto significativo no valor do Bitcoin, impulsionando o ativo e trazendo o setor para uma nova alta.

“Também digno de nota é o fato de que a Bakkt irá custodiar Bitcoins reais. Isso significa que influxos institucionais reduziram a oferta e, assim, (talvez) o valor aumentaria. Isto é diferente de outros mercados futuros regulamentados (…), que lidam apenas com futuros liquidados em dinheiro.”, disse o advogado Jake Chervinsky.

Outra notícia que poderia abalar o setor seria a aprovação de um ETF de Bitcoin. Entretanto, de acordo com Hester Peirce, comissário da SEC, isso poderia demorar dias ou até mesmo anos.

Quanto ao valor do ativo, segundo pesquisas o Bitcoin demora em torno de 62 semanas para se recuperar de uma correção significativa. Os analistas esperam que a moeda se recupere gradualmente até junho de 2019.

FONTE: CCN