Apple fechou temporariamente todas as 53 lojas na Califórnia e mais de uma dúzia em Londres

Crise da COVID-19 continua a aumentar

Apple Store SoHo STOCK

Michael Steeber da 9to5Mac notou uma coincidência interessante ontem: a Apple fechou temporariamente todas as lojas de varejo na Califórnia, muitas mais nos Estados Unidos, duas lojas no México, duas lojas no Brasil, e está prestes a fechar 16 lojas adicionais no Reino Unido. Como Steeber aponta, são quase 100 lojas se incluirmos as que fecharam na Alemanha e na Holanda na semana passada, deixando quase um quinto das lojas da empresa agora fechadas em todo o mundo.

Steeber diz que verificou a lista completa de lojas da Apple para confirmar, e com certeza: todas as lojas da Califórnia, todas as quatro no Tennessee, todas as três em Utah, todas as quatro em Minnesota, duas em Oklahoma e as lojas em Portland, Oregon; Anchorage, Alasca; Omaha, Nebraska; e Albuquerque, Novo México, estão todas fechadas na próxima semana – bem como as 16 lojas adicionais no Reino Unido, México e Brasil a partir de hoje, 20 de dezembro.

Não é difícil adivinhar por que as lojas estão fechando, principalmente na Califórnia, onde a COVID-19 viu seus quatro dias mais mortais ainda na semana passada como parte de um aumento contínuo, e em Londres, onde o primeiro-ministro Boris Johnson acabou de colocar a cidade em lockdown de emergência a partir da meia-noite. A Apple confirmou a essência disso em um comunicado:

“Devido às atuais condições da Covid-19 em algumas das comunidades que atendemos, estamos temporariamente fechando lojas nessas áreas”, disse a empresa à Bloomberg.

Na sexta-feira a Califórnia ativou seu sistema de alerta de emergência na área da baía de SF pela primeira vez desde o início da pandemia, enviando uma mensagem diretamente para todos os telefones para ajudar as pessoas a entender que um pedido de permanência em casa já está em vigor.

Fonte: The Verge

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.