Argentinos estão migrando para o Bitcoin

Os argentinos estão migrando para o Bitcoin (BTC) em meio à inflação e declínio econômico.

O número de contas de criptomoedas ativas aumentou dez vezes desde o ano passado na Argentina, de acordo com o chefe da Binance na América Latina.

A popularidade do Bitcoin e de outras criptomoedas está disparando na Argentina, à medida que os residentes locais procuram novas maneiras de compensar a inflação, informou a agência de notícias global AFP News hoje.

“O número de contas de usuários para investir em criptomoedas multiplicou-se por dez na Argentina desde 2020”, disse Maximiliano Hinz, diretor latino-americano da criptografia Binance, à agência.

Uma fuga da inflação

De acordo com o relatório, o valor da moeda soberana da Argentina – o peso – está praticamente deflacionando a cada dia que passa, já que a inflação atingiu uma média de 45% nos últimos três anos. Além disso, o PIB do país diminuiu cerca de 10% em 2020, enquanto a economia está em recessão desde 2018.

Historicamente, os argentinos investiam seu dinheiro em dólares norte-americanos para tentar compensar a inflação, mas mesmo esse método se tornou inviável ultimamente.

Além das taxas de juros extremamente baixas nos bancos locais, o governo também impôs um limite estrito de compra de US $ 200 por mês para os residentes locais.

Diante disso, as criptomoedas se tornaram uma solução óbvia para os problemas econômicos da Argentina. De acordo com Hinz, agora existem cerca de dois milhões de contas comerciais registradas no país, com uma população total de 45 milhões.

Não é por acaso que Argentina e Venezuela, países com alta inflação, são os principais polos criptográficos da América do Sul”, observou o especialista em ativos digitais Marcos Zocaro, acrescentando:

“Tenho clientes mais antigos que costumavam ter medo de fazer um depósito fixo em um banco, mas estão comprando criptomoedas sem medo do risco.”

Adoção está crescendo rapidamente

Nessa atmosfera de incerteza, as exchanges de criptomoedas “evoluíram para criar pontes para um público sem educação financeira”, disse Sebastian Valdecantos, fundador do sistema de crédito online argentino Moneda PAR.

Simultaneamente, os argentinos estão recorrendo cada vez mais às criptomoedas como meio de pagamento, uma vez que tudo – de carros a roupas de segunda mão – pode ser comprado e vendido por ativos digitais no país.

Na semana passada, o gigante do comércio eletrônico local, Mercado Libre, também anunciou que permitirá pagamentos em Bitcoin por imóveis – em um setor que antes era dominado pelo dólar americano.

https://twitter.com/franamati/status/1377990749632004098?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1377990749632004098%7Ctwgr%5E%7Ctwcon%5Es1_&ref_url=https%3A%2F%2Fcryptoslate.com%2Fargentinians-flock-to-bitcoin-amid-economic-decline%2F

Conforme relatado pelo CryptoSlate , o Banco Central da Argentina começou a pedir aos cidadãos que revelassem suas posses de Bitcoin no mês passado.

 

Fonte: CryptoSlate 

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8