As 5 principais jurisdições globais que afetam o desenvolvimento global da indústria de criptoativos

As empresas de criptoativos necessitam de registro legal para funcionar e fornecer serviços em todo o mundo. Para esclarecer isso, Victor Kochetov, CEO da Kyrrex, fornece sua visão sobre isso.

Durante 2020 e no primeiro semestre de 2021, cada vez mais países começaram a tomar medidas para regulamentar as empresas de criptoativos que se registraram em suas jurisdições ou prestam serviços em que a maior parte dos clientes é de um país específico. Com base nisso, conheça as 5 principais jurisdições globais que afetam o desenvolvimento global da indústria de criptoativos.

Qual é o motivo para escolher sabiamente uma jurisdição para sua empresa?

O principal motivo é que o mercado de criptoativos está inundado por empresas fraudulentas e hackers que querem saquear seus fundos ganhos com dificuldade. Mencionamos isso em nosso artigo sobre golpistas escritos por Victor Kochetov há vários dias.

Os países tratam os criptoativos de maneira oposta. Alguns deles, como a China, querem se livrar de todos os tipos de empresas: firmas de mineração, exchanges, até mesmo comunidades em redes sociais são proibidas.

Por outro lado, temos El Salvador que implementou o Bitcoin como moeda com curso legal. No meio do pacote, temos países com as regulamentações mais rígidas, como Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, etc. Olhando para essas notícias e unindo a experiência de comunicação com os reguladores em todo o mundo, formei uma lista dos cinco mais leais e bem-vindos jurisdições para empresas de criptografia: Malta (UE), Suíça, Luxemburgo (UE), Estônia (UE) e Ilhas Cayman (Reino Unido).

O último exemplo de Binance mostrou que os controladores querem que a empresa trabalhe legalmente ou pare de prestar serviço. A Binance teve que criar outra empresa que segue as leis e requisitos regulamentares dos EUA – Binance.US. Agora, Binance está sob forte pressão no Reino Unido porque não tem uma licença da FCA. Como resultado, as empresas decidiram parar de trabalhar com isso: Junção desobstruída, Barclays, Santander (Reino Unido), e NatWest.

As 5 principais jurisdições globais que afetam o desenvolvimento global da indústria de criptoativos

  • Malta

Principais empresas: OKEx, Coinvest, Yovo, ICO Launch Malta, Exante, STASIS, Neufund e muitas outras.

Malta é o país número um da União Europeia pela simplicidade e classificação das empresas de criptoativos. Ela produz quatro classes de licenças. A primeira classe é a licença mais simples que permite “receber e transferir pedidos”. A segunda classe permite o acesso a ativos financeiros virtuais, mas não permite que uma empresa os opere. A terceira classe permite fornecer todas as operações financeiras excluindo câmbio. A licença final permite que uma empresa forneça “ativos financeiros virtuais e operações de financiamento, além de serviços de custódia”.

  • Suíça

Principais empresas: Crypto Finance AG, Loanboox, Neon, Avaloq, Bancor, DIA, BRD, Squirro AG, Taurus Group SA e outros.

De acordo com a Administração Tributária Federal Suíça e a Autoridade Suíça de Supervisão do Mercado Financeiro (FINMA), as criptomoedas são ativos. Isso significa que eles podem ser comprados, vendidos, investidos, trocados e assim por diante. Temos quatro tipos de licenças em jogo. Pelo nome, fica claro que tipo de atividades são permitidas: Fintech, Exchange, Fundo de investimento e licenças bancárias.

Este país é bastante acolhedor para as criptoempresas: todas as instituições financeiras como FINMA, SBA (Associação de Bancos), estruturas governamentais abrem suas portas para todas as startups ou empresas já existentes que desejam ser bem regulamentadas e trabalhar legalmente. Os requisitos da licença de cripto também são amigáveis: o processo de registro leva vários meses (aproximadamente 3-4), o capital mínimo pago deve ser de 100.000 CHF (US$ 109.250), a empresa deve ter um diretor e investidor, deve ter um endereço físico real dentro do país e os impostos são: 7% federais e 11-24% cantão.

  • Luxemburgo

Principais empresas: Bitstamp, OceanEx, FundsDLT, Rede Ibisa, Peer Mountain, Peculium e outras.

Luxemburgo não trata criptoativos como curso legal. De acordo com a visão da CSSF, os serviços de câmbio e exchanges devem obter uma licença de instituição de pagamentos. Exige que as empresas prossigam com as obrigações de auditoria ABC / CFT. O documento VASPs esclarece definições relacionadas à criptomoeda para reguladores de Luxemburgo e fundadores de empresas em potencial.

O processo de registro leva de 4 a 12 meses. A empresa deve estar legalmente registrada em Luxemburgo. Tem de ter um capital de 15.000 € – 125.000 € para gerir uma instituição de pagamento e 350.000 € para uma instituição de dinheiro electrónico. As taxas podem chegar a € 15.000.

  • Estônia

Principais empresas: Alium Finance, Paytomat, Crypterium, CoinLoan, PlasmaPay, CoinMetro, Kick Ecosystem, Stex, Consbit e outros.

A Estônia é um país da UE que possui um ambiente legal acolhedor e um preço acessível para obter uma licença de criptoativos. Este país não tem status de Malta ou Suíça, mas é mais acessível para começar para pequenas empresas. Unidade de Inteligência Financeira (FIU) regula os processos de licenciamento e pode emitir auditorias. A Estônia emite dois tipos de licenças para serviços de câmbio e cripto-carteiras que podem ser obtidas uma vez em um mês. A taxa de imposto para empresas é de 20%. Existem possibilidades de pagar até 14%.

  • Ilhas Cayman

Principais empresas: Binance (matriz), Praxxis, BitMart.

Autoridade Monetária das Ilhas Cayman (CIMA) regula o criptomercado, fornecendo licenciamento com base no documento Virtual Asset Service Providers (VASPs). O registro como VASP permite que uma empresa troque fiat por cripto e vice-versa; trocar ativos virtuais entre si; proceder e transferir ativos virtuais; fornecer serviços de custódia de ativos virtuais; fornecimento de outros serviços financeiros com ativos virtuais. Trabalhar legalmente nas Ilhas Cayman tem vantagens significativas, como isenção de impostos (uma empresa pode não pagar impostos de lucros obtidos fora das Ilhas Cayman) que dura 20 anos, requisitos de arquivamento minimizados, registro rápido em uma semana, tendo apenas um acionista e um diretor.

Como o regulamento afeta a indústria de criptoativos?

O processo de regulamentação é um estágio ao vivo para todas as empresas de criptomoedas que desejam ser influentes e confiáveis. Muitos reguladores fornecem a lista obrigatória de processos que serão verificados de forma consistente, e eles auditam as atividades das empresas com frequência para ter certeza de que o dinheiro dos clientes está seguro. Essas ações forçam as empresas de criptoativos a serem bem administradas, transparentes e cumpridoras da lei.

 

Fonte: coinspeaker

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8