Associação aponta que Israel possui mais de 200 startups baseadas em Blockchain

Muitas tem pouco ou nenhum uso

De acordo com a Israeli Blockchain Association existem mais de 200 empresas baseadas em blockchain em Israel.

A associação é uma organização que visa educar, desenvolver e capacitar a comunidade de tecnologia de contabilidade distribuída (DLT) da região, encorajando práticas para a conexão com líderes globais no espaço blockchain.

Segundo dados levantados, mais de 50 startups de DLT utilizam a tecnologia para “perturbar” o ecossistema fintech de Israel. Outras 37 focam em infraestrutura básica, e diversas outras operam no setor de segurança e economia.

Aparentemente, muitas empresas não conseguem captar a essência do conceito DLT antes de iniciar um projeto no setor. Tal falta de conhecimento deu fim a muitas startups de blockchain.

Leia mais: Tether retoma sua paridade com o dólar após queda no suprimento

Apesar do grande número de projetos iniciados neste ano, muitos tem pouco ou nenhum uso. De acordo com a associação, aproximadamente 20 startups não são mais funcionais.

“O ecossistema blockchain em Israel está tanto sendo impulsionado quanto transformado”, disse Roman Gold, sócio fundador da associação.

Gold ainda acrescentou que há um número significativo de investidores institucionais se aventurando no ecossistema da tecnologia.

“Atualmente, menos fundadores de startups saem de mercados moralmente questionáveis, como opções binárias e jogos de azar. Em paralelo, mais investidores institucionais estão entrando no mercado. Em essência, o mercado está sendo purificado”, declarou.

Corporações globais estão se adaptando rapidamente ao movimento blockchain.

Recentemente a equipe do WeBitcoin noticiou que a Sony lançou um sistema de gerenciamento de direitos digitais baseado na tecnologia.

Leia mais: Cory Johnson: Ripple considera o SWIFT como maior competidor

FONTE: CCN

Foto de Beatriz Orlandeli
Foto de Beatriz Orlandeli O autor:

Simpatizante das criptomoedas, após cursar Arquitetura e Urbanismo, reavivou um antigo gosto pela escrita e atualmente trabalha como redatora do WeBitcoin.

biaorlandeli