Ativos digitais privados são melhores que CBDCs, diz Banco Central da Austrália

Ativos digitais

Segundo Philip Lowe, as empresas privadas voltada para criação de ativos digitais são melhores que os órgãos governamentais

As empresas privadas são melhores em inovar e é por isso que devem emitir ativos digitais e não Bancos Centrais

Philip Lowe, Governador do Reserve Bank of Australia, acredita que as criptomoedas emitidas por empresas privadas podem fornecer mais benefícios do que as moedas digitais do banco central (CBDCs), mas somente após a implementação dos regulamentos.

CBDCs podem ter uma alternativa melhor

Vários Bancos Centrais em todo o mundo estão explorando ativamente um possível lançamento de uma CBDC, que, segundo os banqueiros, poderia desenvolver o sistema financeiro e melhorar a rede de pagamentos. China, Nigéria , Japão e muitos outros estão entre os países com os esforços mais avançados no campo.

Curiosamente, para um importante banqueiro central, Philip Lowe, Governador do Reserve Bank of Australia, argumentou que os ativos digitais emitidos por entidades privadas poderiam ter mais casos de uso do que os divulgados por instituições bancárias centrais. Em sua opinião, as empresas estão bem conectadas ao setor de inovação e, portanto, entendem melhor a emergente indústria de criptomoedas.

Eu tendo venho pensando que a solução privada será melhor, se conseguirmos acertar os regulatórios, porque o setor privado é melhor que o Banco Central em inovar e projetar recursos para esses tokens, e também é provável que haja custos muito significativos para o Banco Central que cria um sistema de token digital.

Vale notar, porém, que algumas organizações privadas do setor de ativos digitais já faliram antes, enquanto os ativos emitidos por essas empresas causaram perdas cruciais aos investidores.

Um exemplo é a Terra e o colapso de sua stablecoin algorítmica UST e seu token nativo LUNA. Para fornecer proteção máxima aos consumidores, produtos financeiros desse tipo devem ser rigorosamente monitorados pelos reguladores, alertou Lowe:

Se esses tokens forem usados ​​amplamente pela comunidade, eles precisarão ser apoiados pelo estado ou regulamentados, assim como regulamos os depósitos bancários.

A abordagem da Austrália ao CBDC

Enquanto alguns países preferem testar suas moedas digitais sozinhos, no ano passado, o Reserve Bank of Australia optou por unir forças com os Bancos Centrais de Cingapura, Malásia e África do Sul e realizar transações internacionais usando CBDCs.

O principal objetivo dos parceiros era determinar se o produto financeiro poderia melhorar a rede de liquidação estabelecida entre as nações. Além disso, os Bancos Centrais aumentaram as esperanças de que o emprego de CBDCs pudesse reduzir os custos de tais transações e torná-las mais acessíveis.

De acordo com Governador Assistente Fraziali Ismail, Executivo do Banco Central da Malásia, disse:

A plataforma compartilhada multi-CBDC … tem o potencial de superar os acordos de pagamento legados e servir como base para uma plataforma de liquidação internacional mais eficiente.

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno. Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_