Austrália e Nova Zelândia são alvos de ameaças de bomba exigindo resgate em Bitcoin

A quantia exigida não foi revelada

As autoridades da Austrália e Nova Zelândia estão empenhadas em investigar recentes ameaças de bomba recebidas por email, nos quais o remetente exige um pagamento em Bitcoin em troca de não detonar os dispositivos.

Aparentemente, os e-mails possuem certa semelhança com os recebidos anteriormente em várias instituições nos EUA e Canadá, incluindo escolas, edifícios do governo e meios de comunicação. Entretanto, tanto o nome dos dispositivos quanto as linhas de assunto são divergentes.

Na América do Norte, as ameaças geraram evacuações, bloqueios e varreduras, casos que ainda não foram registrados na Austrália ou na Nova Zelândia.

No entanto, agências de segurança cibernética em ambos os países estão se empenhando em investigar a situação.

“Os e-mails confirmam que um dispositivo explosivo foi implantado nas instalações do destinatário e será detonado, a menos que um resgate seja pago em Bitcoin” dizia um breve comunicado do Centro Australiano de Segurança Cibernética (ACSC).

Embora os ameaçados tenham sido aconselhados a não responder o remetente ou pagar o resgate, a ACSC afirmou que estava levando a ameaça a sério.

“A ACSC acredita que seja um golpe, entretanto, como precaução, agências do governo estão tratando a situação como uma ameaça real até que se prove o contrário.”

Na Nova Zelândia, a CERT NZ, agência do governo, também reconheceu a ameaça.

“Um pequeno número de neozelandeses relatou receber e-mails ameaçadores que alegam que um dispositivo explosivo está escondido no escritório do destinatário e será detonado a menos que uma quantia seja paga em Bitcoin”

A agência, assim como a ACSC, aconselhou os neozelandeses a não contatar o remetente ou realizar o pagamento antes de se comunicar com a polícia.

FONTE: CCN

Foto de Beatriz Orlandeli
Foto de Beatriz Orlandeli O autor:

Simpatizante das criptomoedas, após cursar Arquitetura e Urbanismo, reavivou um antigo gosto pela escrita e atualmente trabalha como redatora do WeBitcoin.

biaorlandeli