Australiana é presa por trocar dinheiro por criptomoedas sem autorização

Detalha importante: ela estava fazendo isso dentro da sua própria exchange

As autoridades australianas acusaram uma mulher de trocar dinheiro ilegalmente por criptomoeda, informou o canal de notícias australiano 9news. A australiana de 52 anos foi presa em um shopping center em Sydney por trocar 3,8 Bitcoin por US$ 38.625.

A polícia alega que ela fazia parte de um sindicato de lavagem de dinheiro que efetivamente funcionava na sua própria exchange não licenciada. Desde 2017, o sindicato negocia mais de 326 Bitcoin desde 2017 (US$ 3,1 milhões em dinheiro de hoje), afirmou o detetive superintendente Matthew Craft, comandante do State Crime Command’s Cybercrime Squad.

“Esta é uma quantidade significativa de Bitcoin para alguém que não é uma exchange de moeda digital registrada”, disse ele. Após um mandado de busca em uma casa local, foram apreendidos US$ 11.600 adicionais em criptomoedas, além de telefones e computadores.

O detetive Superintendente Craft disse que a situação era a primeira na Austrália – que a polícia conhece. “Esta será a primeira de muitas prisões que acredito que faremos nos próximos anos e você será notificado”, afirmou ele.

As acusações contra a mulher australiana parecem incongruentes com os princípios defendidos pelas criptomoedas; que as pessoas podem trocar criptomoedas por dinheiro sem precisar se registrar primeiro no governo.

Embora os benefícios possam ser “bancar os não-bancarizados”, a desvantagem é que as exchanges não regulamentadas “bancam os não-negociáveis” – pessoas que negociam ilegalmente dinheiro on-line para fugir às autoridades.

É por esse motivo que as exchanges de criptomoedas devem obedecer às diretrizes de lavagem de dinheiro e verificações de “conheça seu cliente” (KYC), nas quais as exchanges devem manter informações sobre as pessoas que fazem uso dos seus serviços.

No próximo regulamento, que deve ser aplicado dentro do próximo ano, as exchanges de criptomoedas devem enviar informações sobre os clientes sempre que transferirem dinheiro entre as exchanges. Chamada de “regra de viagem”, o regulamento tropeçou nas próprias exchanges de criptomoedas: elas se apegam à regulamentação para permanecer nos negócios ou se apegam aos princípios das cripto?

Fonte: Decrypt

 

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.