Autoridade Europeia aumenta restrições na venda de derivados de criptomoedas

O aumento de restrições busca “proteger” investidores

A Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA) anunciou nesta sexta-feira (28 de setembro) a decisão de aumentar as restrições em relação aos Contratos por Diferenças (CFDs), incluindo os que envolvem criptomoedas.

O CFD é um contrato assinado entre comprador e vendedor. O documento estipula que a diferença entre o valor atual de um ativo e o valor no momento do contrato será compensado pelo comprador se negativo, e pelo vendedor se positivo.

Leia mais: Escócia lança primeiro Laboratório de Identidade baseado em Blockchain do mundo

Segundo comunicado oficial, as restrições que entraram em vigor em agosto serão renovadas por 3 meses adicionais em novembro, devido à grande preocupação quanto à proteção dos investidores em relação à oferta de CFD’s.

A preocupação não é recente, visto que no início do ano a autoridade considerou interferir nos CFD’s de criptomoedas. Aparentemente a volatilidade no valor do ativo levantava dúvidas em relação à proteção do investidor. Em março a Esma chegou a reforçar os requisitos.

“Graças às específicas características das criptomoedas como classe de ativos, o mercado de instrumentos financeiros que oferecem exposição aos criptoativos, tal como CFD’s, serão monitorados de perto, e a ESMA avaliará se há a necessidade de medidas mais rigorosas“, declarou.

Em suma, diversos reguladores da União Europeia tratam os criptoativos com muita cautela. No começo do ano, as Autoridades Europeias de Supervisão (ESAs) lançaram um alerta sobre criptoativos serem um investimento “altamente arriscado”, mostrando “sinais claros de uma bolha”.

Leia mais: Câmara de Deputados dos EUA aprova força-tarefa para identificar uso de criptomoedas para fins terroristas

FONTE: COINTELEGRAPH