Ballet? Bobby Lee reaparece com carteira “inhackeável”

“O objetivo é permitir que pessoas comuns acessem criptomoedas”

Bobby Lee, co-fundador da BTCC, a primeira bolsa de criptomoedas da China, tem agora uma nova startup chamada Ballet. A empresa ‘constrói’ carteiras (de bitcoin e outras criptomoedas) intransferíveis e sem partes eletrônicas, em forma de cartão de crédito.

“Muitas pessoas vêm até mim e dizem: Bobby, você me ajuda a guardar meu bitcoin para mim?” – conta Bobby Lee sobre a origem do projeto.

Assim nasceu a ideia da carteira Ballet. Sem partes eletrônicas, a carteira, que armazena suas chaves privadas, aparentemente não pode ser invadida. O objetivo é “permitir que pessoas normais, pessoas comuns acessem criptomoedas”.

Lee explicou: “Pode ser usado como presente para dar a alguém ou você pode simplesmente armazená-lo em um cofre e escondê-lo em algum lugar de casa. Isso é completamente offline, não há risco de hackers “.

Ele continuou afirmando que “é como dinheiro. Depois de carregá-lo com bitcoin, litecoin, ethereum, este dispositivo tem tudo o que precisa para acessar os fundos. ”

Arrecadação de U$ 5 milhões para a Ballet

Dizem que a Ballet levantou cerca de U$ 5 milhões em financiamento inicial de amigos e familiares de Lee, bem como do fundo de capital de risco do Vale do Silício, Ribbit Capital.

Sediada em Las Vegas, a Ballet começará a enviar carteiras para testadores beta nas próximas semanas antes que o lançamento mais amplo ocorra em outubro. O preço máximo de venda é fixado em U$ 35, mas estará disponível inicialmente por um preço promocional de U$ 29.

Quando perguntado sobre o que ele pensa da condição atual do mercado de bitcoin, Bobby disse:

“Estamos em um de muitos ciclos vindouros. Qualquer ciclo nos levará a alturas cada vez mais altas. Estou bastante confiante em meu investimento em bitcoin de que, em um período muito curto, excederemos U$ 20.000 e passaremos para U$ 50.000, U$ 100.000 e até U$ 200.000.”

Ele acrescentou: “Quando digo pouco tempo, não quero dizer minutos ou horas, quero dizer talvez meses, se não alguns anos”.

*Imagem de: Reimund Bertrams por Pixabay

Fonte: Bitcoinist

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.