Banco do Japão explora perspectivas do Yen digital

Segundo o Banco Central do Japão, um potencial CBDC deve ser capaz de suportar quedas de energia e permitir transações off-line

Em 2 de julho o Banco do Japão (BoJ) publicou um relatório no qual a instituição considera os prós e os contras da criação de uma versão digital da moeda japonesa, o Yen. No documento intitulado “Desafios técnicos do CBDC: moeda digital do Banco Central como o equivalente em dinheiro”, o BoJ citou “acesso universal” e “resiliência” como os principais problemas técnicos que precisam ser resolvidos para que o sistema funcione.

Acesso universal e resiliência

“Para que a moeda digital do banco central (CBDC) tenha uma função equivalente em dinheiro, é necessário perguntar: ‘Ela pode ser usada com segurança em qualquer lugar e a qualquer momento?’ Assim, é necessário estabelecer um método de pagamento seguro e protegido, onde se considere se é tecnicamente possível ter essas duas propriedades: acesso universal e resiliência ”, afirmou o relatório.

Entre outras coisas, “acesso universal” implica que todos devem poder usar o CBDC, incluindo crianças, idosos e pessoas que não possuem smartphones. Para este último, o BoJ considera o desenvolvimento de vários terminais especializados.

Esses terminais, assim como toda a rede, também devem ser protegidos contra quedas de energia ou conexão, permitindo que os usuários efetuem transações mesmo no modo offline.

“A funcionalidade é necessária no caso de uma falha no sistema ou na comunicação. Por exemplo, para muitos terminais de pagamento que podem ser instalados em lojas, etc., […] equipamentos como um gerador de energia própria são necessários para uso em caso de falta de energia. [Durante] desastres naturais No Japão, onde há muito risco, há uma forte necessidade de métodos de pagamento fortes ”, explicou o documento.

Um Yen digital descentralizado ou centralizado?

Atualmente o BoJ ainda não decidiu se deve usar a tecnologia de contabilidade distribuída ou uma estrutura centralizada mais tradicional para seu CBDC. Contudo, ambas as opções estão sendo consideradas, incluindo algum tipo de sistema híbrido, dependendo das circunstâncias.

“Tanto os tipos centralizados quanto os descentralizados tem prós e contras”, observou o BoJ. “No caso de transações massivas para casos de uso de varejo em países desenvolvidos, é melhor adotar o tipo centralizado. No caso em que a quantidade de transações é limitada e a resiliência e as possibilidades futuras são priorizadas, há espaço para considerar o tipo descentralizado. ”

De acordo com o relatório, outro aspecto importante de um CBDC é o cumprimento das normas anti-lavagem de dinheiro (AML) e o combate ao financiamento do terrorismo (CFT).

“Além desses desafios técnicos, os CBDCs devem ser considerados no contexto de garantir a segurança. A estrutura de AML/CFT foi projetada para fornecer um conjunto abrangente de salvaguardas para proteger a privacidade dos usuários de AML/CFT ”, explicou o relatório.

Para esse propósito, o BoJ considera a limitação da quantia máxima de fundos que poderiam ser transferidos por meio de uma única transação usando o CBDC.

Como Decrypt relatou anteriormente, 80% dos bancos centrais do mundo estão explorando a perspectiva de moedas digitais, com o vice-governador do Banco do Japão afirmando no início deste ano que a demanda pública por um CBDC poderia “subir” no país.

Outros países asiáticos que estão trabalhando nos CBDCs incluem a Coreia do Sul e a China, cujo sistema DCEP – “moeda digital, pagamento eletrônico” – está em andamento há seis anos e já pode estar em fase de testes.

Fonte: Decrypt

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.