Banco alemão N26 busca expansão nas criptomoedas

O banco alemão, N26, com sede em Berlim, está planejando para o ano de 2022, lançar serviços de criptoativos

Banco alemão N26 busca expansão nas criptomoedas

O cofundador do N26, Max Tayenthal, acredita que a ideia em expandir a marca pelo mundo, trouxe números não desejáveis para a fundação.

O N26 é um banco alemão com sede em Berlim e é considerado uma das maiores empresas de fintech da europa, que conta com a Valar Ventures de Peter Thiel e Li Ka-shing entre seus patrocinadores, estima um capital de US $ 9 bilhões.

Após quase dez anos desde a fundação, o banco está encerrando as operações nos EUA, anteriormente também fechando sua participação no Reino Unido no início de 2020. Com isso, os usuários americanos não poderão mais usar o aplicativo a partir de 11 de janeiro. Na época, em novembro, o banco divulgou um extrato que dizia:

“Os clientes dos EUA poderão usar suas contas normalmente até 11 de janeiro de 2022 e receberão mais instruções sobre como retirar seus fundos para garantir uma transição tranquila.”

A paralisação operacional da fintech nos EUA ocorre menos de dois anos e meio após seu lançamento no país.

Mesmo que o banco tenha mais de 7 milhões de clientes pelo mundo, a rápida expansão trouxe alguns pontos não tão desejáveis, e estagnou o desenvolvimento em serviços, como o de criptoativos.

“Deveríamos ter criado o trading em ações e nas criptomoedas em vez de lançar o banco nos Estados Unidos? Em retrospecto, pode ter sido uma ideia inteligente.” Explica o cofundador, Max Tayenthal, ao Financial Times em uma entrevista.

Max Tayenthal reconhece que nos últimos meses o banco percebeu que esta muito “espalhado“, visando que poderiam se concentrar em criar algo novo, ao invés de simplesmente sair pelo mundo “pregando” sua marca.

O cofundador revela:

“Nós realmente queremos expandir nosso universo de produtos e temos que fazê-lo.”

O banco sofreu algumas penalidades ao longo do último ano, principalmente pelo Bafin (Autoridade de Supervisão Financeira Federal), por uma série de problemas, incluindo a falta de controle sobre lavagem de dinheiro.

Por esse motivo o banco teve uma redução em seus limites de novos clientes, de 170 mil novos clientes, agora o N26 só poderia aceitar 50 mil por mês.

Em um movimento raro, BaFin nomeou dois representantes especiais para rastrear melhorias no N26 em seu nome.

“Há muita confiança, entre os investidores, em nossa capacidade de remover novamente essas restrições ao crescimento”, reforça Max Tayenthal.

“Nós temos um plano. Temos uma compreensão do que precisa ser feito e somos capazes de executar”, complementou o executivo.

No momento, o aplicativo móvel N2 ainda não oferece funcionalidade para criptoativos. E pouco se sabe sobre o plano da fintech para produtos e recursos de trading em criptomoedas.

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8