BitBlue viabiliza saques e depósitos instantâneos

Plataforma oferece tarifa zero e já soma mais de dez mil clientes no início da operação.

São Paulo, agosto de 2018 – Recém-anunciada no mercado, a BitBlue.com, já soma mais de dez mil clientes. Um dos principais atrativos é, sem dúvida, a tarifa zero para todos os usuários.

A integração com as maiores exchanges internacionais gera liquidez e permite que a empresa tenha um dos melhores preços do mercado – uma média em torno de 5% a menos, diferença que pode ser bem maior dependendo do volume de moedas adquirido – inclusive ultrapassando a maior operação hoje no Brasil no mercado de criptomoedas. Outro atrativo é a integração com uma instituição de pagamentos.

“Com essa integração, viabilizamos saques e depósitos de forma automatizada, numa média de 10 minutos”, comenta Edisio Pereira Neto, CEO da BitBlue.

A grande novidade da fintech, é que em Novembro estarão presentes também em lojas físicas, por meio de casas de câmbio.

“Vamos começar com 20 lojas, mas nossa proposta é que em até um ano estejamos presentes em mais de 200 lojas espalhadas por todo o Brasil, nos principais Shoppings e Aeroportos, ajudando a difundir a criptoeconomia, despertando o interesse e levando esclarecimento às pessoas”, afirma Edisio.

De acordo com o CEO, hoje o cliente tem que vender suas criptomoedas na plataforma da BitBlue.com e realizar a transferência do valor para sua conta bancária. Quando a empresa estiver integrada às casas de câmbio, será possível comprar e vender tanto online como na loja física, com liquidações instantâneas e em espécie.

A fintech já opera hoje com bitcoin, ethereum e dash e promete colocar à disposição dos clientes mais quatro criptomoedas até o final do ano.

Leia mais: Aplicativo da Play Store engana usuários, fazendo com que comprem Ethereum falso

Regulamentação

O executivo destaca que Estados Unidos e Japão regulamentaram as criptomoedas. Na opinião de Edisio, a regulamentação no Brasil deverá incidir sobre as corretoras de criptomoedas, que deverão contar com regras e taxas, além de adotar uma política de Compliance.

“A criptoeconomia já é uma realidade no mundo e o Brasil não pode ficar para trás. Acreditamos que em pouco tempo ocorrerá uma regulamentação no mercado nacional, o que permitirá que grandes players se sintam confortáveis para trabalhar com criptoativos”, avalia o CEO da BitBlue.  

Atualmente, a startup conta com aproximadamente 30 colaboradores e uma mesa de especialistas em operações de grandes volumes (OTC). O atendimento funciona em dias úteis, por meio do aplicativo WhatsApp.