Bitcoin deve estar em todos os portfólios diz o terceiro homem mais rico do México

Em entrevista ao diretor da Blockchain Land, o Bitcoin deve estar em todos os portfólios diz o terceiro homem mais rico do México.

A chegada da cruz da morte não parece assustar Michael Saylor, que comprou US$ 500 milhões exatamente quando esse padrão aterrorizante estava se formando. Mas ele não é o único que pensa assim. Ricardo Salinas Pliego, o terceiro homem mais rico do México, também acredita que o Bitcoin é um excelente investimento.

Em entrevista ao diretor da Blockchain Land, José Rodríguez, Ricardo Salinas Pliego garantiu que o Bitcoin é um investimento tão sólido quanto o ouro. Ele explicou que o debate sobre sua natureza não é tão crucial para quem conhece suas propriedades.

“Na minha opinião, todas as vantagens que o bitcoin tem são suficientes para fazer o ouro do mundo moderno … Não adianta discutir se é uma moeda ou não.”

Haverá apenas 21 milhões de bitcoins, e isso é a chave para tudo

Ricardo Salinas argumenta que o fato de o Bitcoin ser finito, fácil de transportar e gozar de extrema liquidez internacional são razões convincentes para considerá-lo um ativo que vale a pena levar em consideração ao construir uma carteira de investimentos.

Na verdade, Salinas explica que, do seu ponto de vista, todo investidor deve possuir Bitcoin:

“O Bitcoin é um ativo de valor internacional, negociado com enorme liquidez em todo o mundo. Por esse motivo, deve estar em qualquer carteira.”

Ricardo Salinas é um Bitcoiner vocal . Ele foi um dos primeiros empresários latino-americanos de destaque a falar sobre a criptomoeda e apoiá-la nas redes sociais. Ele também revelou que 10% de sua carteira de investimentos líquidos era mantida em BTC, o que obviamente não é pouca coisa considerando sua fortuna.

Mas e quanto às Altcoins?

Mas, por enquanto, parece que o relacionamento de Salinas com o Bitcoin não admite competição. Quando questionado sobre o potencial de Ethereum e outras altcoins, Salinas não ficou convencido de que eles poderiam superar o BTC.

Em relação ao Ethereum, explicou que a fraqueza está no caráter inflacionário.

“A escassez de Bitcoin, os 21 milhões, é a chave para tudo. É por isso que menciono Ethereum. Porque enquanto não tem um valor finito de emissão, não vou acreditar, porque eles podem emitir mais, e o ativo se deprecia.”

A questão do desenho inflacionário de algumas moedas é de especial importância para Ricardo Salinas. Os governos latino-americanos abusaram do poder para emitir dinheiro artificialmente, o que prejudicou o poder de compra das pessoas no longo prazo.

Veja, comecei minha carreira profissional em 1981. Naquela época, o peso [mexicano] era de 20 para 1 [dólar]. Hoje, por outro lado, estamos a 20.000 por dólar. E isso aqui, no México, mas se fizermos na Venezuela, Argentina ou Zimbábue, os números perdem toda proporção.

Como o Bitcoin é um ativo global e finito, ele está protegido contra manipulação por qualquer governo, grupo de desenvolvedores ou entidades de poder centralizador.

Mas sempre há um pouco de espaço para outros projetos. Ele disse que Monero e Zcash são interessantes por causa da privacidade que oferecem.

 

Fonte: CryptoPotato

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8