“Bitcoin é para otários”, diz o professor Steve Hanke

Parece que Steve Hanke não é exatamente um fã do Bitcoin

Steve Hanke, professor de economia aplicada na Universidade Johns Hopkins, mais uma vez mirou nos Bitcoiners em seu tweet de 5 de outubro, apontando para um estudo recente que supostamente exporia seu analfabetismo financeiro.

Hanke usou o velho ditado sobre um otário nascendo a cada minuto, que é amplamente atribuído ao showman e empresário americano P.T. Barnum.

Bitcoiners e jogadores

De acordo com uma pesquisa do Banco do Canadá publicada em agosto, os investidores com baixa instrução financeira têm duas vezes mais chances de colocar seu dinheiro em Bitcoin (8% e 4%, respectivamente). Aqueles com habilidades financeiras substanciais tendem a estar mais cientes do Bitcoin, mas preferem evitar a criptomoeda carro-chefe.

Isso faz o jogo dos críticos do Bitcoin que acreditam que a criptomoeda é equivalente ao jogo de azar. Numerosos estudos conduzidos na última década descobriram que quem gasta dinheiro em cassinos, loterias e apostas esportivas tem menor instrução financeira.

Em um artigo publicado pelo Instituto Americano de Pesquisa Econômica (AIER), o blogueiro financeiro JP Koning escreve que ver o Bitcoin como uma rebelião contra o sistema financeiro corrupto incentivará ainda mais jogos de azar:

“Se os jogadores ouvirem que eles não estão realmente apostando, mas ajudando a derrubar a oligarquia bancária ou substituindo o dinheiro fiduciário corrupto, então eles provavelmente jogarão ainda mais.”

Analfabetismo em criptomoedas

Barnum ganhou destaque ao criar vários trotes infames, como a sereia “Feejee”. Seu dito que ilustra como sempre há pessoas dispostas a ser enganadas se encaixa na narrativa anti-Bitcoin de Steve Hanke, que rotineiramente compara a moeda laranja com a bolha da tulipa holandesa e diz que ela deve ser evitada como uma praga.

Entretanto, Hanke – que se envolveu em um projeto de stablecoin em 2018 – costuma exibir seu próprio analfabetismo em criptomoedas. Em agosto, ele afirmou de forma embaraçosa que o Bitcoin deveria ser vinculado ao ouro, expondo sua falta de compreensão básica de como a criptomoeda realmente funciona.

Fonte: U.Today

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.