Bitcoin e terrorismo: EUA apreendem valores ligados à grupos extremistas

Autoridades dos EUA apreenderam milhões de dólares em Bitcoin e criptomoedas vinculadas a campanhas online de financiamento ao terrorismo envolvendo Hamas, Al-Qaeda e ISIS

O Departamento de Justiça (DoJ) diz que cada grupo usou Bitcoin e mídias sociais para chamar a atenção e arrecadar fundos para suas campanhas de terrorismo.

A ala militar do Hamas, as Brigadas al-Qassam, é acusada de postar uma convocação em suas páginas de mídia social e sites oficiais para doações de Bitcoin, gabando-se de que isso seria indetectável. Seus sites ofereciam instruções em vídeo sobre como fazer doações anonimamente, em parte usando endereços Bitcoin exclusivos gerados para cada doador individual.

Entretanto, as doações não eram anônimas, com as autoridades americanas conseguindo confiscar 150 contas de criptomoedas usadas para lavagem de fundos. Além disso, as autoridades apreenderam a infraestrutura online das Brigadas al-Qassam e operaram uma armadilha para capturar as doações.

Separadamente, a Al-Qaeda e grupos afiliados operaram uma rede de lavagem de dinheiro com Bitcoin usando os canais do Telegram e outras plataformas de mídia social para solicitar doações de criptomoedas, dise o DoJ.

O DoJ ainda diz que um facilitador do ISIS chamado Murat Cakar usou um site para vender máscaras respiratórias N95 não aprovadas pela FDA durante a escassez de PPE da Covid-19.

“Não deve surpreender ninguém que nossos inimigos usem tecnologia moderna, plataformas de mídia social e criptomoedas para facilitar suas agendas malignas e violentas”, disse o procurador-geral William Barr. “O Departamento de Justiça empregará todos os recursos disponíveis para proteger a vida e a segurança do público americano contra grupos terroristas”.

Fonte: Finextra

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.