Bitcoin sobe 27% no primeiro semestre de 2020, superando ouro, prata e platina

O Bitcoin mostrou seu brilho durante o primeiro semestre de 2020 ao valorizar mais de 27% em meio a retornos medíocres de metais preciosos, incluindo ouro, prata e platina

O ouro teve um desempenho inferior ao Bitcoin em quase 11 pontos percentuais, apesar de ter ganho 16% no primeiro semestre de 2020 e ter atingido máximos de oito anos no final de junho. Prata e platina terminaram o primeiro semestre de 2020 com ganhos negativos.

O forte desempenho do Bitcoin não é um choque para alguns analistas, especialmente no contexto da crescente correlação da criptomoeda de referência com os mercados de ações. “Dado que as ações estão agora próximas, ou em alguns casos acima, seus máximos atingidos em fevereiro, não é surpreendente ver o Bitcoin fazer o mesmo”, disse Ryan Watkins, analista de Bitcoin da Messari.

btc-gold-h1-2020

Retorno de Bitcon e metais preciosos durante o primeiro semestre de 2020 – Fonte: Messari, Dados Econômicos do Federal Reserve, Business Insider, CoinDesk Research

 

Por que comparar retornos de Bitcoin a ouro ou outros metais preciosos? “O ouro é o Bitcoin mais aspiracional”, explicou Watkins. “Como o Bitcoin, o ouro é uma mercadoria escassa, cujo valor é derivado quase inteiramente de seu prêmio monetário”.

Ao contrário do ouro, no entanto, os investidores em Bitcoin tem experimentado historicamente uma volatilidade mais extrema. A prata e a platina também foram muito mais voláteis que o ouro na primeira metade de 2020.

Bitcoin e ouro podem ser vistos mais como investimentos complementares do que competitivos com base em seu desempenho nos últimos seis meses, disse David Lifchitz, sócio-gerente da ExoAlpha, empresa de comércio quantitativo de criptomoedas de Paris. Dada a volatilidade histórica do Bitcoin, manter “ouro digital e físico juntos” poderia fornecer um melhor perfil de risco-retorno do que manter um deles individualmente, disse Lifchitz.

Os investidores geralmente ajustam suas carteiras com base na quantidade de risco necessário para obter um determinado retorno. O aumento do retorno costuma trazer maior volatilidade ou risco. Porém, dependendo de como os ativos se correlacionam, um portfólio adequadamente ponderado pode alcançar um retorno esperado mais alto com um nível de risco menor do que o encontrado em um portfólio contendo apenas um ativo.

Investir em Bitcoin e ouro durante o primeiro semestre de 2020 poderia reduzir o risco de um investidor sem sacrificar os retornos, disse Lifchitz à CoinDesk. Investimentos iguais em ouro e Bitcoin, por exemplo, podem ter retornos mais ou menos correspondentes de um investimento apenas em Bitcoin, enquanto sofrem menos queda em março, explicou Lifchitz.

btc-gold-quarterly-2020

Retornos trimestrais de Bitcoin e metais preciosos durante 2020 – Fonte: Messari, Dados Econômicos do Federal Reserve, Business Insider, CoinDesk Research

 

Mas os retornos ajustados ao risco de Bitcoin e ouro nos últimos seis meses “podem não ser verdade no futuro”, disse Lifchitz. Por um lado, o mercado de criptomoedas ficou assustadoramente silencioso nas últimas semanas, com a queda da volatilidade do Bitcoin.

Um relatório da Bloomberg de julho sobre o Bitcoin observou que a volatilidade de 260 dias do Bitcoin é “a mais baixa versus a mesma medida de risco de ouro desde o rally parabólico de 2017 do ativo cripto”. O estrategista sênior de commodities Mike McGlone, que foi o autor do relatório, disse: “A volatilidade deve continuar em declínio, pois o Bitcoin estende sua transição para o equivalente cripto de ouro de um ativo altamente especulativo”.

No entanto, a queda da volatilidade do Bitcoin para mínimos históricos pode mudar rapidamente de direção. McGlone descreveu o Bitcoin como um “touro em repouso” pronto para uma fuga, acrescentando: “Esperamos que a compressão recente seja resolvida por preços mais altos”.

Fonte: CoinDesk

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.