Bitcoin volta a subir e crava novo recorde de preço em US$ 61.800

O Bitcoin já subiu mais de 120% apenas esse ano

Bitcoin, a maior e mais conhecida criptomoeda virtual do mundo, subiu 6,64% para $ 61.800 pela primeira vez no sábado, adicionando mais de $ 4.600 ao fechamento anterior.

Continuando sua corrida recorde, o Bitcoin subiu mais 120 em relação à baixa do ano de $ 27.734 em 4 de janeiro. Depois de encerrar o ano passado com uma alta de 170% no quarto trimestre, para cerca de US $ 29.000, o Bitcoin saltou para US $ 40.000 sete dias depois. Demorou pouco mais de um mês para quebrar o limite mais recente.

“A resiliência do Bitcoin está provando ser lendária”, disse Antoni Trenchev, sócio-gerente e cofundador da Nexo em Londres.

“Cada correção é uma oportunidade para redefinir e reiniciar o movimento para cima.”

O Bitcoin subiu cerca de 1.000% no ano passado em meio a sinais de crescente interesse institucional e também de demanda especulativa. Os defensores defendem a criptomoeda como uma reserva de valor semelhante ao ouro, que pode atuar como uma proteção contra a inflação e um dólar mais fraco. Outros argumentam que a alta é uma bolha gigante alimentada por estímulos a caminho de estourar como aconteceu no ciclo de expansão e queda de 2017-2018.

Os participantes da indústria e alguns estrategistas apontam para uma aceitação mais ampla como uma das razões pelas quais a atual bull run é diferente.

Os exemplos incluem o investimento de US $ 1,5 bilhão da Tesla em Bitcoin e o endosso do CEO Elon Musk do ativo digital na mídia social. O investidor bilionário Mike Novogratz, que dirige a Galaxy Digital Holdings, disse que o Bitcoin pode chegar a US $ 100.000 até o final do ano.

“Os cheques de estímulo, o apoio implacável de Elon Musk, os vendedores a descoberto jogando a toalha e a liquidez do fim de semana eram tudo o que era necessário para enviar Bitcoin acima do nível de $ 60.000″, disse Ed Moya, analista de mercado sênior da Oanda Corp

Fonte: Livemint

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.