Estímulo financeiro do governo americano está “patrocinando” o Bitcoin?

Dólar dado pelo governo americano é usado até pra comprar Bitcoin.

Se eu dissesse a você no início do ano que os Estados Unidos dariam cheques de mais de US $ 1.000 a todos os cidadãos e que muitos deles comprariam Bitcoin com esse valor, você teria rido na minha cara. Mas agora, eis que o Bitcoin, no oeste do Atlântico, está sendo “patrocinado” pelo Federal Reserve (FED), o banco central americano.

Com a pandemia em andamento causando um colapso econômico, resultando em uma recessão inevitável, os bancos centrais de todo o mundo têm se engajado em uma política monetária frouxa para impulsionar sua economia. O principal dentre esses é o Federal Reserve dos Estados Unidos.

No mês passado, o FED anunciou uma série de cortes nas taxas de juros de “emergência”, imprimiu bilhões de dólares e iniciou um programa de estímulo ao varejo. Com tempo suficiente para os efeitos do programa ‘dólares em abundância’, o resultado é um “patrocínio” para o Bitcoin, tanto no lado institucional quanto no varejo.

Renascimento institucional

Nos Estados Unidos, o principal fluxo de entrada de Bitcoin a partir de fontes de dólares no setor institucional é por meio dos contratos de futuros de Bitcoin da Chicago Mercantile Exchange [CME], que curiosamente viram uma média de mais de 6.000 contratos negociados por dia em 2019. A CME, despencou em 12 de março junto com o mercado cripto, depois se encontrou mais uma vez, já que a quantidade de posições em aberto e pendentes, ou juros em aberto [OI], na exchange, voltou a seus dias anteriores ao prumo.

Em 12 de março, a CME viu uma média para seus futuros de Bitcoin em US $ 171 milhões, que alguns dias após a liquidação do BTC caíram para US $ 107 milhões, seu ponto mais baixo nos últimos 12 meses. Isso foi resultado da necessidade de dinheiro, resultando na venda de ativos altamente líquidos como Bitcoin e ouro, devido à maior percepção do Bitcoin como um ativo de risco, a liquidação e a recuperação da criptomoeda era maior que a mercadoria.

No entanto, desde a queda, o preço do Bitcoin se recuperou em mais de US $ 1.200, subindo acima de US $ 7.000 em 16 de abril, pela primeira vez desde a queda. Essa recuperação de preços causou um aumento para a CME, que subiu do mínimo acima mencionado para US $ 208 milhões ontem. Essa é a maior quantidade de posições em circulação na exchange em mais de um mês.

Além disso, o renascimento da CME contrasta fortemente com o resto do mercado de futuros de Bitcoin. A BitMEX e a OKEx, que detêm as mais altas posições em aberto no mercado não regulamentado de derivativos de Bitcoin, tiveram recuperações muito mais baixas. Por exemplo, após a queda a BitMEX  ficou em US $ 530 milhões [abaixo dos US $ 1,2 bilhão] e, no momento, a exchange acumula um valor de US $ 597 milhões, ou seja, apenas um aumento de 19% em relação à sua baixa após a queda do preço do Bitcoin.

Ressurgimento do varejo

Outro indício da decisão do governo dos EUA de emitir um programa de estímulo focado no varejo a fim de alavancar os gastos do consumidor, ao que parece, resultou em um estimulo para o Bitcoin.

Coinbase, a exchange de criptomoedas de São Francisco tem visto uma quantidade significativa de depósitos de compra que são, coincidentemente, a mesma quantia que o cheque de estímulo de US $ 1.200 emitido pelo Federal Reserve. Brian Armstrong, CEO da exchange, postou no Twitter,

Fonte: ambcrypto

Foto de Bruno Lugarini
Foto de Bruno Lugarini O autor:

Estudante de Sistema da Informação, técnico de informática, apaixonado por tecnologia, entusiasta das criptomoedas e Nerd.