Bitmain publica seus dados de mineração e alega deter somente 4% da capacidade total do Bitcoin

A gigante do ramo de mineração de Bitcoin, Bitmain, afirmou que começará a publicar relatórios regulares sobre o tamanho de sua operação de mineração, como parte de um esforço para ressaltar a transparência antes de se tornar pública.

Leia mais: AMD revela queda nas vendas de GPUs para mineradores de criptomoedas durante o segundo trimestre

Bitmain publica suas estatísticas de mineração

Estas estatísticas, que datam até o dia 22 de julho, com certeza chamam a atenção. A Bitmain afirma que está minerando três algorítimos: SHA256 (1692 PH/s), Ethash (339,7 GH/s) e Scrypt (44,2 GH/s).

A página onde estas informações foram publicadas não revela quais moedas a empresa está minerando, e como a hash rate é distribuída. Contudo, mesmo que todos os ASICs para mineração de SHA256 da companhia fossem direcionadas para o Bitcoin, sua capacidade de mineração seria de apenas 4% do total da rede, o que atualmente se traduz em 41,83 EH/s, segundo o BitInfoCharts.

Certamente, estes números não passaram por auditoria, não tardando para que os críticos da companhia acusassem-na de mentir sobre possuírem controle majoritário da rede do Bitcoin e, talvez, de outros blockchains.

As subsidiárias da Bitmain somam quase metade da hash rate do BTC, embora, como operadora de mining pool, ela só possa controlar a capacidade computacional no sentido de ditar quais templates os miners conectados à sua operação devem utilizar.

Leia mais: Ernst & Young adquire cripto ferramenta fiscal para realizar auditorias em blockchains

Perto de sua IPO, Bitmain nega operação secreta de mineração

Alegando que a companhia foi acusada injustamente de realizar uma operação de mineração secreta, a publicação declarou que a Bitmain tem política de tolerância zero em relação à mineração com equipamentos que ainda não foram lançados para o público geral, utilizando tais equipamentos somente em pequenas baterias de teste.

De forma semelhante, a Bitmain negou minerar propositalmente blocos vazios de Bitcoin — blocos sem transações além das recompensas coinbase — respondendo aos críticos que acusaram a empresa de minerar blocos vazios com propósitos escusos, como congestionar a rede (Jihan Wu, CEO da Bitmain, é um apoiador da criptomoeda rival, Bitcoin Cash). A companhia afirmou que investigará quaisquer casos onde pareça que suas mining pools estejam gerando uma taxa excessiva de blocos vazios, e revelará as razões publicamente.

Estas revelações representam um esforço da Bitmain de dar mais transparência ao público, uma ação que também inclui mais aparições e entrevistas de seu CEO opaco.

Esta iniciativa de transparência não está ocorrendo em um vácuo. A Bitmain, que recentemente angariou US$400 milhões e está avaliada em US$12 bilhões, está se preparando para se tornar pública ainda este ano na Bolsa de Valores de Hong Kong (HKEX). A empresa espera angariar mais US$1 bilhão, colocando-a em um porte semelhante ao da AMD, antes de submeter seus documentos para requerimento de uma IPO.

Leia mais: Mike Novogratz: mercado das criptomoedas atingirá uma capitalização de US$800 bilhões em 12 meses

Fonte: CCN