Blockchain na África: próximos anos serão essenciais na adoção de regulamentações

Tecnologia blockchain tem sido cada vez mais difundida entre empresários e especialistas, além de aos poucos chegar ao grande público

“Nos próximos anos, vocês verão os reguladores na África adotando esse tipo de tecnologia.” afirmou John Kamara, diretor da Naija Lottery, no debate sobre o uso da tecnologia blockchain.

Durante uma discussão de 40 minutos no segundo dia do SBC Digital Summit Africa em uma sessão intitulada ‘Tudo o que você queria saber sobre blockchain mas estava com medo de perguntar’, o painel discutiu a incerteza em torno do que a blockchain tem a oferecer e como ela realmente funciona.

Falando sobre a mentalidade dos reguladores na África, Kamara acredita que a indústria começou a adotar sua abordagem para a blockchain: “Começamos a ver mais alguns reguladores, que começaram a pensar mais sobre isso a partir de uma plataforma centralizada, agora mostrando a eles o poder da blockchain e a natureza incorruptível dela significa que agora estavam começando a mostrar aos reguladores que isso é melhor do que fazer em uma rede centralizada.”

Harmen Brenninkmeijer, CEO da Quanta, moderando a sessão, expressou que administrar uma empresa de blockchain no momento é ‘bastante desafiador’, explicando: “Administrar uma empresa de blockchain hoje é bastante desafiador, não no sentido de que seja como qualquer outra tecnologia, que precisa encontrar os primeiros usuários, é um desafio por causa de toda a negatividade que paira em nosso setor.”

Junto com Kamara e Brenninkmeijer no painel estava Ian Sherrington, CPO da Quanta, que explicou a importância de educar mais pessoas sobre a blockchain.

“A Quanta se propôs a ser a primeira loteria blockchain disponível para o público em geral e para conseguir isso era necessário muito conhecimento sobre o blockchain, era preciso adquirir muita experiência e muitos programadores voltam de uma arquitetura cliente padrão e quando você está falando sobre blockchain, você precisa jogar fora essas ideias antigas e aprender algumas novas maneiras de fazer as coisas.” alegou Sherrington.

“Para mim, a blockchain é a prova criptográfica de uma transação de uma identidade digital. É algo que não pode ser corrompido. Algo que distribui livros, transações e valor significa que o usuário está mantendo o controle.

 

Quando começamos com a QuantaPay, a primeira coisa que precisávamos fazer era criar uma carteira, e por que precisamos de uma carteira? Para armazenar os tokens cripto, mas em segundo lugar para assinar transações.

 

Em uma blockchain, você não pode assinar uma transação em nome de um usuário, então um operador que administra um sportsbook está acostumado a transferir dinheiro em nome do usuário, apesar do usuário dizer ‘Eu queria fazer isso’ na verdade, é a empresa que realiza a transação.

 

No caso de uma blockchain, são os próprios usuários que realizam as transações. Assim, o usuário mantém o controle sobre o valor que mantém em seu saldo/carteira.”

Fonte: Casino Beats

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.