Blood Donation Coin. Uma ICO que vale a pena você conhecer

Em um universo atual onde a cada instante surge uma nova altcoin, o lançamento de mais uma poderia facilmente ser algo a passar desapercebido. Poderia.

Não é o caso da moeda em questão que falaremos nessa matéria: a Blood Donation Coin. A primeira ICO que incentiva a doação de sangue no Brasil e no mundo. Sim, no Brasil. A moeda é 100% idealizada e desenvolvida por brasileiros.

A causa não poderia ser mais nobre. Em dados oficiais do governo federal, apenas 1,8% da população brasileira doa sangue, percentual inferior ao recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) que é de 3% e pela ONU (Organização das Nações Unidas), 5%.

Uma única doação pode beneficiar até quatro pessoas. Existem 27 homocentros no Brasil e 500 serviços de coleta. Saiba a importância da doação de sangue.

O projeto foi idealizado pelo arquiteto de software Matheus Grijó, natural de Santos / SP, de 29 anos, que possui aptidão natural para o desenvolvimento de projetos humanitários. O objetivo inicial era com base em seus conhecimentos técnicos, trazer notoriedade para uma causa de tanta importância e que pode salvar milhares de vidas diariamente. Felizmente o impacto causado pela ideia tem se alastrado e hoje com a ajuda de outros colaboradores, existem grandes empresas de diferentes nichos querendo contribuir com a causa.

O objetivo da ICO em um primeiro instante é atingir o percentual mínimo de doadores indicado pela ONU, que é de 5% da população. Do total minerado, 10% será utilizado para ajudar em campanhas de doação em hemocentros no Brasil e também no mundo através de parcerias internacionais.

A Blood Donation Coin é baseada no CryptoNote, que é uma tecnologia projetada para ser uma melhoria do Bitcoin, Ethereum e Litecoin. Ela permite a criação de uma criptomoeda igualitária e anônima, a tecnologia também depende de um algoritmo de prova-de-trabalho(PoW) baseado em hash, que é muito diferente do Bitcoin e outras altcoins populares. Diferentemente do Bitcoin que usa o sistema SHA256, o CryptoNote usa uma função de memória chamada CryptoNight que torna muito mais difícil para os mineradores usarem dispositivos ASIC para aumentar a capacidade de mineração. Isso ajuda a mineração permanecer mais distribuída (Descentralizada);

Outras altcoins que usam CryptoNote são: Monero, Bytecoin, Dashcoin e AEON.

É motivador ver algo tão importante sendo impulsionado por uma tecnologia que está cada vez mais presente em nosso dia a dia. Parabenizamos os envolvidos e para os interessados em informações técnicas mais completas, acesse o site www.blooddonationcoin.org

 

Fonte: TEMBTC

Foto de Andre Cardoso
Foto de Andre Cardoso O autor:

André , ariano, engenheiro, empreendedor, trader de criptos profissional, palestrante e professor. Adora números, gráficos e aprender coisas novas.

andre.cardoso.btc/