Bullish para o Bitcoin? Arthur Hayes espera que os EUA comecem a imprimir dólares novamente

Bullish para o Bitcoin? Arthur Hayes espera que os EUA comecem a imprimir dólares novamente

Ex-CEO da BitMEX, Arthur Hayes acredita que o Federal Reserve será forçado a enfraquecer o dólar à medida que outras moedas caem contra ele.

O cofundador da BitMEX, Arthur Hayes, previu que o Federal Reserve poderá em breve começar a imprimir dinheiro novamente se o dólar continuar a se fortalecer em relação às moedas internacionais. Como ele vê, este é um desenvolvimento de alta para o Bitcoin. As informações são do site CryptoPotato.

Os efeitos de um dólar forte

Em um tweet na quinta-feira, Arthur Hayes pressionou os seguidores a ficarem de olho no iene japonês e no euro. Ele disse que espera que uma intervenção enfraqueça o dólar americano se ele se fortalecer acima de 150 JPY, ou se o euro cair abaixo de US$ 0,9.

“Intervenção significa que o Fed imprime dinheiro”, explicou. “Imprimir dinheiro significa que os números do $ BTC aumentam. A situação é fluida.”

Arthur Hayes vinculou uma imagem exibindo os últimos movimentos do euro e do iene em relação ao dólar. Um dólar agora vale cerca de 139 JPY, enquanto o euro caiu para a paridade do dólar. Ambos mostram uma clara tendência de enfraquecimento em termos de dólares ao longo do ano passado.

FXn2
EUR e JPY medidos em termos de USD. Fonte: Arthur Hayes

Para os Estados Unidos, o fortalecimento do dólar significa que consumidores e empresas podem comprar produtos internacionais com mais facilidade. Também fortalece a posição do dólar como moeda de reserva mundial – algo que a Casa Branca expressou forte interesse em manter em sua ordem executiva de criptomoedas em março.

No entanto, isso também significa que os exportadores dos EUA sofrem porque os compradores internacionais têm mais problemas para comprar seus produtos – assim como os turistas nos EUA.

Além disso, as entidades estrangeiras que pagam o serviço da dívida denominada em dólar podem enfrentar uma pressão adicional, forçando-as a vender títulos do Tesouro e ações dos EUA. Isso poderia forçar os preços dos títulos para baixo, aumentando seu rendimento efetivo.

Os rendimentos dos títulos já estão subindo à medida que o Fed continua apertando as taxas de juros para combater a inflação. De fato, os rendimentos dos títulos do Tesouro de 2 anos já superaram os de 10 anos – uma inversão muitas vezes vista pelos mercados como um prenúncio de recessão.

Impacto no Bitcoin

A criptomoeda teve um forte desempenho em 2021 em relação a outros ativos, já que o Federal Reserve seguiu uma política monetária de impressão de dinheiro para manter a economia à tona. No entanto, quando o Fed começou a mostrar um compromisso mais forte com sua política de aumento das taxas de juros em maio e junho, o preço do Bitcoin logo caiu para os níveis do final de 2020.

O mercado de criptomoedas acompanhou de perto o mercado de ações no ano passado – mas com aumento da volatilidade ascendente e descendente. Mesmo os investidores de longo prazo que veem o Bitcoin como um porto seguro admitem que atualmente é tratado pelos mercados como uma “ação em crescimento”.

Como tal, muitos investidores acreditam que o desempenho do Bitcoin é amplamente ditado pela política do Federal Reserve. O CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, previu no mês passado que o Bitcoin se recuperará rapidamente assim que o banco central reverter o curso.

“No momento em que o Fed recuar, acho que você verá muitos fundos macro tradicionais, que tiveram um ótimo ano, comprando Bitcoin”, disse ele.

O CEO da FTX, Sam Bankman-Fried, também acredita que o aumento das taxas de juros é o principal responsável pela desaceleração do mercado de criptomoedas. “Neste ponto, a corrente que vimos nos mercados, acho que está fora de sintonia com o que as taxas de juros de 3% normalmente representariam”, disse ele à Real Vision na semana passada.

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.