Cazaquistão luta para suportar o peso dos mineradores exilados de bitcoin da China

Mineradores registrados de Bitcoins estão começando a se voltar contra as operações “irregulares“.

O Cazaquistão, que se tornou o segundo país mais popular para a mineração de Bitcoin, de acordo com dados do Cambridge Center for Alternative Finance, está em uma encruzilhada, graças aos recursos naturais reduzidos, o desejo de avançar em direção a alternativas renováveis ​​e apelos de mineradores regulamentados, para limpar uma criptoeconomia subterrânea.

O ministro da Energia do Cazaquistão, Magzum Mirzagaliyev, garantiu aos mineradores ontem, que as operações regulamentadas não seriam cortadas da rede elétrica nacional. No entanto, os chamados mineradores irregulares, aqueles que não são registrados no governo, podem em breve ter que fazer uma escolha entre registrar-se ou sair do país.

O Cazaquistão é um país da Ásia Central rico em recursos naturais. A ex-república soviética ostenta alguns dos preços de eletricidade mais baixos para residências ou empresas, do mundo (cerca de metade das taxas nos EUA) – ideal para mineração de Bitcoin, com uso intensivo de energia. Além disso, a mineração de criptomoedas continua barata no Cazaquistão, não devido a um mercado puramente livre, mas, ironicamente, um mercado regulado pelo estado, que depende do carvão para impulsionar uma economia de bom desempenho.

O país está começando a sentir a pressão, especialmente à medida que parece migrar para fontes de energia mais verdes. O governo estima que a mineração de criptomoeda consome 8% da capacidade de eletricidade do país – com dois terços disso proveniente de mineradores não regulamentados.

A Associação Nacional da Indústria de Blockchain e Data Center, um grupo comercial do Cazaquistão, vê uma solução fácil. Na terça-feira, pediu ao governo que vá atrás dos mineradores irregulares, que têm o potencial de arruinar o acordo relativamente suave para os regulamentados.

“Embora muitos mineradores ilegais tenham estabelecido operações nos últimos meses, há muitas empresas de mineração de Bitcoin que operam no país há muitos anos, que cumprem integralmente todas as leis, pagam seus impostos e fornecem empregos locais”.

Disse o presidente da associação, Alan Dorjiyev. Ele acrescentou que a associação está “colaborando proativamente com” o Ministério da Energia e o Ministério do Desenvolvimento Digital para “criar um mercado justo e transparente, onde aqueles que seguem as regras podem operar, enquanto aqueles que não o fazem serão forçados a fechar os negócios.

De acordo com um relatório da Reuters, na quarta-feira, alguns mineradores irregulares estão preocupados com o registro oficial, não apenas por causa do aumento das exigências fiscais, mas também devido a propostas governamentais adicionais, em discussão.

“O imposto que o governo planeja introduzir é algo que os mineradores podem pagar”.

Disse a agência de notícias, citando um minerador anônimo.

“Mas não está claro quais demandas o governo pode apresentar mais adiante.”

Se forem demais, a mineração de Bitcoin pode estar em movimento, novamente.

Fonte: DeCrypt

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8