Cenário turbulento faz com que exchange Coinsquare demita quase um terço dos funcionários

bear market fez mais 40 vítimas

Os últimos meses foram difíceis para o mercado de criptomoedas, e além dos investidores, as empresas envolvidas também sentiram o impacto. A vítima mais recente é a exchange canadense Coinsquare, que se viu obrigada a demitir em torno de quarenta funcionários.

A queda massiva no valor dos ativos somada ao aumento dos requisitos regulatórios coloca as empresas em uma posição difícil, e algumas não só demitem seus funcionários, como chegam a fechar as portas. Com o valor do Bitcoin variando em torno de US$3500, até a mineração foi prejudicada, graças ao custo gerado pela energia necessária para a decodificação de cada bloco.

Martin Hauck, Chefe de Talentos da Coinsquare, anunciou a perda dos cargos no Linkedin. De acordo com ele, o principal motivo de tal decisão é a natureza imprevisível e volátil do mercado ao longo dos últimos meses.

“O ambiente em constante evolução das moedas digitais/criptomoedas tem sido volátil e imprevisível. Muitas empresas similares em nosso setor tiveram que realizar escolhas difíceis nos últimos meses e a Coinsquare também teve que fazê-lo. A empresa decidiu se separar de diversos membros talentosos da equipe Coinsquare. Todos os quais fizeram seu próprio impacto e contribuição para o nosso sucesso até agora, pelo qual somos extremamente gratos.”, disse Hauck no Linkedin.

Acredita-se que a exchange possua em torno de 150 funcionários, o que significa que quase um terço da equipe foi dispensada. Em julho de 2018 a empresa já havia demitido 20 funcionários em um plano de reestruturação, enquanto realizavam uma expansão para novos mercados. Em dezembro a Coinsquare anunciou que entraria em 25 novos mercados em toda a União Europeia, ao passo que adquiria a provedora de cripto Blockeq.

As recentes demissões são apenas resquícios de uma tendência alarmante de perda de empregos resultante do abalo da indústria de criptomoedas.

Nas últimas duas semanas, a Huobi começou a demitir funcionários e se preparar para um cenário caótico. Neste período, Lívio Weng Xiaoqi, diretor-executivo da exchange, disse à mídia local que a plataforma estava sendo cautelosa.

“Não sabemos quanto tempo irá durar o bear market, então ainda é possível que lutemos para sobreviver. Temos que planejar com antecedência e gastar dinheiro com cuidado.”

Nos últimos dois meses empresas como a Bitmain Technology, Shapeshift, Steemit e Coinfloor também anunciaram demissões graças à indecisão do futuro do mercado. Este é um momento muito preocupante para funcionários do setor, principalmente aqueles que trabalham em plataformas como a Coinsquare.

FONTE: CCN