Charlie Shrem se ofereceu para trabalhar na Paypal em 2011

Nove anos depois, a gigante dos pagamentos online mudou de ideia sobre as criptomoedas. Por que demorou tanto tempo para isso?

O lendário pioneiro do Bitcoin, Charlie Shrem, pediu para trabalhar na PayPal em 2011, conforme revelação dele mesmo em um tweet na última segunda-feira.

Sua afirmação veio em resposta a relatos de que a gigante dos pagamentos online agora planeja permitir que seus  320 milhões de usuários comprem e vendam criptomoedas.

Citando fontes anônimas, o portal cripto Coindesk informou na segunda que a PayPal e a Venmo, sua plataforma afiliada, permitirão que usuários “diretamente” comprem e vendam criptomoedas.

O movimento é esperado para menos de três meses, porém não foi confirmado pela PayPal. Entretanto, várias postagens de emprego para engenheiros cripto apareceram.

Relação entre Paypal e criptomoedas no passado

Em 2014, a empresa de pagamentos engatou parcerias com startups de pagamento em Bitcoin incluindo a Coinbase, permitindo que comerciantes em sua rede aceitassem criptomoedas . Porém, até recentemente, sua posição em relação às criptomoedas era morna.

No ano passado, ao primeiro sinal de bloqueios regulatórios, a PayPal foi a primeira empresa a se desvincular da Associação Libra, um grupo de empresas que o Facebook tinha reunido para sua iniciativa de criptomoeda.

Mas a recente mudança de pensamento chega nove anos atrasadas para Charlie. Como um dos primeiros empreendedores do Bitcoin, ele apresentou a moeda aos gêmeos Winklevoss em 2012 e está imortalizado junto com os dois no livro Bilionários do Bitcoin de Ben Mezrich.

Tarde demais para a Paypal?

A PayPal está chegando tarde na festa. Sua rival Square, uma empresa de pagamentos online fundada e dirigida pelo CEO do Twitter, Jack Dorsey, introduziu pagamentos em Bitcoin em janeiro de 2018 e tem visto as receitas de vendas de Bitcoin aumentando a cada trimestre. Em maio, a Messari – empresa de dados analíticos cripto – reportou que a Square comprou $306 milhões em Bitcoin no primeiro trimestre de 2020. No ano passado a empresa conseguiu uma cobiçada licença para negociar criptomoedas em Nova Iorque.

Tarde ou não, a ação da PayPal tem sido interpretada positivamente pela indústria, com cripto mercados surgindo à luz das notícias.

Fonte: Decrypt

Foto de Heslei de Oliveira
Foto de Heslei de Oliveira O autor:

Entuasiasta da tecnologia blockchain desde 2017, faz de tudo um pouco quando se trata de criptomoedas - desde redação de artigos até fechamentos de acordos comerciais e de marketing. Um lema? Voa Bitcoin!