China está monitorando exchanges estrangeiras

A China está novamente intensificando sua leis contra criptomoedas após relatos de que traders chineses conseguiram contornar tais restrições por acessar exchanges no exterior.

China cada vez mais rígida

De acordo com uma reportagem de um noticiário de Xangai, Yicai, o departamento responsável pela supervisão das redes de comunicações públicas do país começou a monitorar cuidadosamente exchanges de criptomoedas no exterior, além de supervisionar sites chineses usados por traders e investidores para facilitar negociações em P2P.

O departamento está, em especial, supervisionando as exchanges de criptomoedas que eram sediadas na China, mas se realocaram para outros países após a proibição das negociações que foi imposta pelo banco chinês “People’s Bank of China” (PBoC) em setembro do ano passado.

O governo alega que implementou tais políticas com o objetivo de impedir esquemas de pirâmide, lavagem de dinheiro e outras atividades ilegais associadas com a indústria das criptomoedas.

Leia mais: Site malicioso tenta enganar possíveis investidores do ICO da Telegram

Traders contornando a situação

Apesar de ativamente fiscalizar essas plataformas de negociação de criptomoedas, as autoridades passaram os meses seguintes tentando manter o cumprimento dessas políticas rigorosas, entretanto, traders menores passaram a fazer negociações em P2P e em plataformas de mercados paralelos (OTC), enquanto outros abriram contas em plataformas offshore (no exterior) que oferecem as negociações convencionais do livro de pedidos.

Não obstante, em muitos aspectos, as autoridades chinesas tem sido muito bem sucedidas em sua tentativa de limitar as negociações – mesmo que não tenham conseguido removê-la completamente.

Estas restrições fizeram com que o volume de negociações de criptomoedas denominado em renminbi (moeda chinesa) caísse de um pico de 90 por cento para o atual valor estimado em menos de um por cento.

Muitos céticos do mercado de criptomoedas acharam que uma queda tão dramática nas negociações chinesas significaria o fim para o Bitcoin e seus concorrentes, mas essas predições estavam erradas.

Na verdade, esta repressão nas negociações chinesas não foi capaz de impor um efeito de longa data nos mercados globais de criptomoedas e, além disso, após o incidente, a Coreia do Sul e o Japão se emergiram como importantes forças nos ecossistemas regionais e globais.

Fonte: CCN.com