Após proibição na China, mineradores de Bitcoin continuam suas atividades no subsolo

As principais operações de mineração de Bitcoin podem ter persistido no subsolo na China, apesar da proibição da prática no ano passado, de acordo com dados recentes da Universidade de Cambridge.
A mineração de Bitcoin na China foi proibida em meados de 2021. Imagem: Reprodução.

Mineradores chineses encontraram alternativas para burlar a proibição da mineração de Bitcoin no país

As principais operações de mineração de Bitcoin podem ter persistido no subsolo na China, apesar da proibição da prática no ano passado, de acordo com dados recentes da Universidade de Cambridge.

Cerca de 20% da taxa total de hash do Bitcoin veio da China entre setembro e janeiro passado, revelaram dados do Cambridge Centre for Alternative Finance (CCAF). Dados de geolocalização agregados relatados por pools de mineração parceiros são coletados e publicados regularmente pelo CCAF no Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index (CBECI).

Como apontado pelo BeinCrypto, depois que a China proibiu oficialmente a mineração de Bitcoin em maio do ano passado, os dados sugeriram que a mineração de Bitcoin no país havia caído para zero em julho. Embora essa falta de atividade da China tenha persistido em agosto, as atividades de mineração se recuperaram rapidamente para 22,3% no mês seguinte. Apenas os Estados Unidos, que superaram a China como o maior minerador de Bitcoin do mundo, ficaram acima em 27,7%.

“Atividade de mineração subterrânea significativa”

De acordo com a CCAF, os dados “sugerem fortemente que uma atividade significativa de mineração subterrânea se formou no país”. A CCAF informou que esses mineradores subterrâneos consistiam em “operações de pequena escala geograficamente espalhadas” operando através de “acesso à eletricidade fora da rede”.

A CCAF acredita que a calmaria temporária durante o verão representa o período que levou para os mineradores entrarem no subsolo, dada a recuperação abrupta no outono.

“É provável que uma parcela não trivial de mineradores chineses tenha se adaptado rapidamente às novas circunstâncias e continuado operando secretamente enquanto esconde seus rastros usando serviços de proxy estrangeiros para desviar a atenção e o escrutínio”.

Esses mineradores subterrâneos parecem “ficar mais confiantes e satisfeitos com a proteção oferecida pelos serviços de proxy locais”, dado o tempo em que operam desde que a proibição foi implementada.

De acordo com um especialista do setor, esses mineradores chineses subterrâneos também estão tentando diversificar suas localizações. “Os mineradores [na China] usam uma VPN e tentam não usar muita energia de um único ponto, para que a companhia elétrica não possa detectar nenhum consumo de energia estranho”, disse ele.

Apesar de seu fraco desempenho este ano, a dificuldade de mineração de Bitcoin, uma medida aproximada da atividade de mineração de Bitcoin, atingiu recentemente um recorde histórico.

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.