Chineses criam método para burlar proibição do trading de criptomoedas

Investidores utilizam exchanges estrangeiras para negociar criptomoedas

Faz algum tempo que as autoridades comerciais chinesas monitoram transações de criptoativos. Recentemente, 124 exchanges de criptomoedas estrangeiras foram bloqueadas no país.

Entretanto esta medida de nada adiantou, visto que os traders utilizam VPN’s para acessar as plataformas estrangeiras.

Aparentemente, os reguladores chineses podem desabilitar os VPN’s a qualquer momento. Entretanto, ainda não há restrições quanto ao uso da ferramenta no país.

A posição do governo chinês sobre o movimento das criptomoedas não é novidade. Dessa forma, os investidores buscam a todo momento formas de burlar a proibição. Uma das táticas mais conhecidas é utilizar novos nomes de domínio sob identidades estrangeiras, permitindo a realização do trading.

Leia mais: Competição à vista: após os Winklevoss, Paxos lança sua stablecoin

De acordo com entusiastas da tecnologia, enquanto os servidores das plataformas de trading permanecerem fora da China, o bloqueio será muito difícil de conseguir.

Todavia, na visão de novos investidores a proibição já é um balde de água fria. A curto prazo pelo menos, especialistas apontam uma queda no interesse comercial em criptomoedas.

O cerco ao comércio de criptomoedas

Apesar de alguns escapes, a pressão exercida pelas autoridades comerciais tem surtido efeito.

O App de mensagens instantâneas WeChat bloqueou recentemente mídias e contas relacionadas a criptomoedas na China. De acordo com os responsáveis, as contas violavam regulamentos do aplicativo.

Leia mais: Bobby Lee: “Valor do Bitcoin continuará aumentando em razão da falha que são as moedas fiat”

FONTE: CCN