Citigroup contrata 100 pessoas para sua equipe de criptomoedas

O Citigroup pretende adicionar mais 100 pessoas à sua divisão de ativos digitais e nomeou Puneet Singhvi como chefe da unidade.

De acordo com uma cobertura da Bloomberg, a terceira maior instituição bancária nos EUA – Citigroup – planeja aumentar sua equipe de ativos digitais nomeando 100 novos funcionários. A divisão também terá um novo chefe – Puneet Singhvi – que se reportará a Emily Turner – Chefe de Desenvolvimento de Negócios do banco.

“Estamos focados em avaliar as necessidades de nossos clientes no espaço de ativos digitais”, disse um porta-voz do Citi.

A divisão de Singhvi desenvolverá uma estratégia que pode permitir que diferentes operações internas, incluindo negociação, banco de investimento e serviços de títulos, trabalhem em conjunto com ativos digitais e tecnologia blockchain.

De acordo com Turner, o Citi acredita no potencial da blockchain e criptomoedas, “incluindo os benefícios de eficiência, processamento instantâneo, fracionamento, programabilidade e transparência”. Ela acrescentou que a unidade de ativos digitais também se concentrará no “envolvimento com as principais partes interessadas internas e externas, incluindo clientes, startups e reguladores“.

Anteriormente, Singhvi foi chefe de blockchain e ativos digitais no negócio de trading do Citigroup, onde liderou muitos dos primeiros passos do banco no mercado.

História do Citi com criptoativos.

O gigante bancário aderiu ao movimento da criptomoeda em maio, quando anunciou planos de lançar serviços de negociação de ativos digitais para gerentes de ativos e escritórios familiares. Itay Tuchman – chefe global de câmbio estrangeiro do Citi – observou que a mudança foi ditada pelo rápido aumento do interesse dos clientes na classe de ativos.

Poucos meses depois, a instituição financeira começou a considerar negociar futuros de bitcoin na Chicago Mercantile Exchange (CME). No entanto, um porta-voz do Citi disse que a iniciativa será examinada com cautela devido às exigências regulatórias.

Bancos e criptos dos EUA.

Apesar de ter um passado um tanto controverso com a indústria de criptomoedas, dois dos maiores bancos americanos – Goldman Sachs e JPMorgan – começaram a fornecer serviços de ativos digitais para seus clientes este ano.

Na primavera, o primeiro, que a certa altura alegou que o bitcoin e as moedas alternativas não são uma classe de ativos, permitiu que seus clientes institucionais negociassem derivativos de BTC. Além disso, o Goldman compra e vende futuros de bitcoin em negociações em bloco no CME Group.

O JPMorgan – conhecido por ter um dos maiores críticos do bitcoin como seu CEO (Jamie Dimon) – também se juntou à lista ao fornecer aos seus principais clientes exposição a seis fundos de criptomoeda.

Fonte: CryptoPotato

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8