Coinbase lança rendimentos com DeFi para 70 países

Exchange de criptoativos, Coinbase, anunciou que os clientes qualificados em mais de 70 países agora podem ganhar rendimento com DeFi

Segundo um comunicado preparado pela Coinbase:

“Estamos tornando o DeFi mais acessível, permitindo que clientes qualificados em mais de 70 países acessem os rendimentos atraentes de empréstimos DeFi em seu DAI sem taxas, travamentos ou problemas de configuração”.

No centro dessa mudança está o desejo da Coinbase de tornar o DeFi “mais amigável e acessível ao cliente”.

Usando a stablecoin DAI, os clientes podem optar por ganhar rendimento DeFi. As participações, DAI, dos clientes serão depositadas na Compound Finance, que a Coinbase descreve como um protocolo DeFi “líder da indústria”. Os juros sobre este rendimento são, no entanto, variáveis.

Por exemplo, em outubro, as taxas da Compound para o fornecimento de DAI, flutuaram entre 2,8% e 5,3%.

“As taxas mais altas refletem o acesso exclusivo à liquidez global e o aumento do risco que pode advir do DeFi”, disse Coinbase.

Apesar desse risco, a Coinbase continua otimista com a promessa do DeFi.

“O DeFi tem um potencial tremendo para ajudar a aumentar a liberdade econômica e estamos entusiasmados em poder fornecer uma maneira confiável e acessível de participar”, acrescentou a exchange.

Há, no entanto, uma omissão gritante neste anúncio.

Apesar de lançar serviços para 70 países elegíveis, incluindo grandes economias como, Alemanha e Reino Unido, o rendimento do DeFi da Coinbase ainda não está disponível para clientes nos Estados Unidos.

Os EUA, Coinbase e DeFi

Em setembro, o CEO da Coinbase, Brian Armstrong, acessou o Twitter para desabafar em meio a uma ameaça da SEC de processar a exchange, se esta lançasse seu produto lucrativo chamado, Lend.

“Algum comportamento realmente superficial vindo da SEC recentemente”.

Disse Armstrong, lamentando o fato de a SEC ter dito que o empréstimo da Coinbase seria um título, uma postura pela qual ele foi amplamente criticado na época.

“Eles se recusam a nos dizer por que acham que é um título de segurança e, em vez disso, intimam vários registros (nós cumprimos), exigem o testemunho de nossos funcionários (nós cumprimos) e, em seguida, nos dizem que vão nos processar se prosseguirmos com o lançamento, sem nenhuma explicação sobre o porquê ”, ele também disse.

Enquanto isso, a SEC – e o presidente do conselho, Gary Gensler – escolheram algumas palavras para a indústria de DeFi.

Ao longo do ano, Gensler repetidamente levantou a bandeira vermelha, dizendo que a indústria DeFi – assim como o mundo mais amplo da cripto – precisa de leis de proteção ao consumidor mais robustas.

“Há muitos empréstimos acontecendo. Há muitas negociações em andamento. E sem proteções, temo que não vá terminar mal”, disse Gensler em outubro.

Fonte: DeCrypt

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8