Como a crise da dívida Evergrande na China afetar o Bitcoin

A crise da dívida de Evergrande – uma das maiores empresas da China, paira sobre os mercados financeiro. Como isto afeta o afeta o Bitcoin.

O mundo financeiro está observando Evergrande e o que está acontecendo na China de perto, já que esta tem sido, sem dúvida, a atração principal nas últimas semanas.

Hoje, os mercados globais despencaram com o preço das ações da Evergrande perdendo outros 10%, colocando o Bitcoin no vermelho, com uma queda de cerca de 8% nas últimas 24 horas. Mas a dor acabou?

Evergrande – Behemoth Sags do setor imobiliário chinês

Evergrande conseguiu se tornar uma das empresas líderes na China quando o assunto é imobiliário. Alegadamente, ele desenvolveu mais de 1.300 projetos em mais de 280 cidades chinesas e também é o dono de um dos maiores times de futebol do país – Guangzhou FC.

Ele fez isso tomando emprestado mais de US $ 300 bilhões de mais de 171 bancos domésticos e 121 outras empresas financeiras. No ano passado, porém, Pequim implementou novas regras que controlam a quantia de dinheiro devida por grandes incorporadoras imobiliárias, e isso levou Evergrande a oferecer suas propriedades com descontos substanciais.

A empresa fez isso para garantir que houvesse dinheiro suficiente para manter seus negócios funcionando. Agora, porém, está lutando para cumprir os pagamentos de juros de sua dívida e não está claro se Pequim vai resgatá-la.

Por que isso é importante dentro e fora da China?

A China é a segunda maior economia do mundo e a Evergrande é uma das maiores empresas do país. Postulados macro e microeconômicos complicados entram em jogo quando se trata do impacto que as consequências potenciais de Evergrande podem ter sobre a economia mundial.

Existem pelo menos alguns motivos pelos quais esses problemas são sérios e precisam ser devidamente considerados. Imediatamente, muitas pessoas compraram propriedades da Evergrande antes de a empresa começar a construí-las e podem perder o dinheiro que colocaram como depósito se for para o sul.

Além disso, a empresa tem uma cadeia de suprimentos internacional e faz negócios com muitas empresas em todo o mundo – incluindo empresas de construção e design, fornecedores e outros enfeites – todas as quais enfrentam grandes riscos de perder dinheiro se Evergrande entrar em default.

Em terceiro lugar, vem o impacto sobre a situação financeira do país. Quem falou sobre o assunto foi Mattie Bekink da Economist Intelligence Unit (EIU), que descreveu as conexões acima de Evergrande:

As consequências financeiras seriam de longo alcance. Evergrande deve dinheiro a cerca de 171 bancos domésticos e 121 outras empresas financeiras.

Uma das principais preocupações é a chamada crise de crédito. Se a empresa entrar em default, seus credores (incluindo instituições financeiras e bancos) podem ser forçados a emprestar menos e aumentar as taxas, o que seria uma má notícia para outras empresas. Alguns deles dependem de dívidas para crescer e, em alguns casos particulares, podem até ser incapazes de funcionar sem ela.

O impacto já está claro

As ações da Evergrande perderam mais de 80% nos últimos 6 meses e, só hoje, as ações da empresa despencaram mais de 10%.

Isso também causou uma queda mais ampla no Índice Hang Seng – um índice que acompanha as principais empresas chinesas, com queda de 3,3% – sua maior perda desde o final de julho. Isso torna evidente que os temores de propriedade estão se espalhando além de Evergrande.

Além disso, os mercados globais despencaram no horário de negociação antes do mercado. Os futuros do S & P500 caíram 1%, assim como os futuros do DOW e NASDAQ.

O que acontece com o Bitcoin?

Bitcoin é um ativo de risco. Na verdade, sua natureza não convencional e comportamento esporádico de mercado, que muitas vezes é imprevisível, o tornam um dos ativos mais arriscados. E embora os investidores com maior apetite pelo risco possam buscar exposição a ele para maximizar os ganhos, é improvável que o BTC seja o que eles manterão em tempos turbulentos de uma crise financeira iminente.

Além disso, quando há turbulência nos mercados financeiros mais amplos, o Bitcoin tradicionalmente tem sido bastante instável – um outro argumento em apoio ao acima.

Portanto, é perfeitamente possível que veremos o mercado continuar indeciso até que os temores de propriedade vindos da China sejam resolvidos de uma forma ou de outra.

Mas também é importante notar que isso não se aplica apenas ao Bitcoin, mas também a outros ativos de risco. Eles tendem a ser os primeiros a liquidar quando a economia está instável e o dólar está subindo.

Obviamente, o Bitcoin deve ser um ativo não correlacionado porque é fundamentalmente diferente dos ativos tradicionais. No entanto, não foi esse o caso, em grande parte devido à entrada de grandes instituições e a se tornar uma parte importante do mercado.

Fonte: Crypto Potato

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno.Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_