Como as empresas farmacêuticas estão usando blockchain para rastrear medicamentos falsificados

Uso da tecnologia blockchain tem sido cada vez mais empregado no combate às fraudes e falsificações

Algumas das maiores empresas farmacêuticas do setor, incluindo a Pfizer Inc. e a Eli Lilly and Co, desenvolveram um sistema baseado em blockchain para rastrear medicamentos prescritos em toda a cadeia de suprimentos, a fim de interromper melhor o fluxo de medicamentos falsificados.

Cerca de duas dúzias de empresas do setor, incluindo fabricantes de medicamentos, distribuidores, varejistas e empresas de entrega, criaram a MediLedger Network, baseada em blockchain. Segundo informações, há um esforço sendo empregado na verificação do retorno de medicamentos. Eles disseram que pretendem expandir ainda mais o sistema este ano.

Para quem não sabe, a blockchain surgiu como tecnologia subjacente ao Bitcoin e se trata um banco de dados compartilhado, mantido por uma rede de computadores.

“O grupo MediLedger enviou um relatório à Administração de Medicamentos e Alimentos dos EUA, estabelecendo os benefícios da blockchain para esse problema específico”, disse Susanne Somerville, diretora executiva da empresa de tecnologia Chronicled, à Reuters.

Chronicled é o custodiante da MediLedger, fornecendo a administração da rede.

“Acreditamos que uma solução com a blockchain pode impedir medicamentos falsificados”, disse Somerville em entrevista. “A intenção é melhorar a segurança dos medicamentos prescritos neste país.”

Entre as 24 empresas participantes estão Amgen Inc., FedEx Corp., GlaxoSmithKline Plc, Novartis, AmerisourceBergen Corp., Sanofi, Walgreens Boots Alliance Inc. e Walmart Inc.

Os medicamentos identificados como falsificados podem estar contaminados, conter o ingrediente errado ou não ter nenhum ingrediente ativo. Houve casos no passado em que medicamentos falsificados contra o câncer inundavam o mercado, por exemplo.

A Organização Mundial da Saúde estima que milhões de medicamentos falsificados, no valor de 73 bilhões de euros (US$ 79,26 bilhões), sejam comercializados anualmente.

“A atual infraestrutura de sistemas ponto a ponto carece da capacidade de manter os dados sincronizados em toda a cadeia de suprimentos da área de saúde, o que aumenta o risco de produtos falsificados, desviados ou ilegítimos”, explicou David Vershure, chefe de canal e gerenciamento de contratos da Roche Unidade Genentech.

“A principal função da rede MediLedger é validar a autenticidade dos identificadores de medicamentos em toda a cadeia de suprimentos”, disse o relatório da MediLedger. Tudo isso pode ser feito sem que nenhum dado proprietário seja compartilhado abertamente na blockchain ou nunca saia do controle de uma empresa.

O projeto MediLedger foi criado em resposta à chamada da FDA no início do ano passado para projetos-piloto testando um sistema interoperável eletrônico, conforme descrito na Lei de Segurança da Cadeia de Suprimentos de Drogas (DSCSA).

Fonte: Insurance Journal

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.