Conheça a trajetória da pirâmide financeira Wolf Trade Club

A empresa prometia um rendimento de até 50% do valor aplicado.

A pirâmide financeira Wolf Trade Club, foi fundada em 2016 com sede em Curitiba, a empresa tinha como objetivo desmistificar o mercado financeiro, fazendo com que qualquer pessoa esteja apta a realizar operações dentro da bolsa de valores. 

A empresa dizia ser especializada, onde os traders operam os investimentos, prometendo uma rentabilidade de 20%, 30% e até 50% do valor aplicado em três meses. 

Os ganhos seriam obtidos através de compras e vendas diárias na Bolsa de Valores, onde a empresa realizava toda a operação de day trade, para quem indicasse mais membros a investirem no esquema o bônus seria de 10% em cima de cada indicação.

Em junho de 2019, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) emitiu o documento dizendo que a empresa não poderia ofertar carteiras de valores mobiliários, desde então a empresa começou a ser investigada e passou a ter mais relatos de clientes que não conseguiam sacar seus investimentos.

Conforme as reclamações foram crescendo, a empresa emitiu uma nota dizendo que sofreu um golpe e perdeu cerca de R$ 9 milhões, e que fez o relato do suposto golpe para a Polícia Federal logo no início de setembro. 

A Polícia Federal fez a prisão temporária dos responsáveis em outubro de 2019, durante um mandado de busca e apreensão, ao todo foram seis pessoas presas, inclusive os sócios, Hugo Felix da Silva e Henrique Oldair Mendes.

De acordo com a PF, a pirâmide da Wolf Trade Club pode ter lucrado cerca de R$ 30 milhões, lesando centenas de clientes. 

Um caso específico relacionado a pirâmide financeira da Wolf Trade, foi do empresário Deivid Botega de Carvalho, que relatou em reportagem para a UOL, contando que fez seu primeiro investimento na Wolf Trade Club, em junho de 2018, investiu cerca de R$30 mil e diz que o valor foi repassado. 

Logo após o retorno do primeiro investimento, Deivid vendeu seu apartamento e investiu R$ 100 mil na empresa, porém um dos sócios da Wolf Trade Club, entrou em contato com o empresário dizendo que depositasse o dinheiro na conta bancária física dele, e não na jurídica, pois o lucro seria o dobro.

“Como era um dos donos (a empresa tem seis) fazendo essa promessa, acreditei, de forma inocente”, declara o empresário. 

Entretanto, Deivid não recebeu mais nada, após o depósito feito na conta do dono da empresa, mesmo entrando com uma ação contra a Wolf Trade Club e seus sócios, a empresa afirma que não tem responsabilidade alguma, já que o contrato foi formado direto com o sócio e não pela empresa. 

Não há informações de quando os clientes vão ter seus investimentos de volta, nem como está a situação atual dos líderes da Wolf Trade Club, a página da empresa ainda está aberta no Facebook, onde contém várias reclamações de clientes em postagens antigas da empresa. 

Para não cair em golpe, antes de investir desconfie da empresa que oferecem a possibilidade de ganhar dinheiro fácil e rápido, pesquise sobre a reputação da empresa, use o Reclame Aqui e veja o que as pessoas estão comentando, entre no site da CVM e faça uma pesquisa detalhada da empresa em que pretende investir. 

Caso desconfie de alguma pirâmide financeira, denuncie, entre em contato com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Ministério Público.

Imagem de vectorpouch por Freepik.

Foto de Mirian Romão
Foto de Mirian Romão O autor:

Graduada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e Pós-Graduada em Comunicação em Redes Sociais.

mirian_romao