Coreia do Norte é apontada como a número 1 do ranking em crimes contra as criptos

Coreia do Norte

O grupo de hacker da Coreia do Norte denominado RPDC, foi implicado a roubos cibernéticos de ativos digitais, golpes envolvendo criptomoedas e até câmbio

De acordo com a Coincub, o país tem mais de 15 casos documentados de crimes envolvendo criptomoedas, com receitas estimadas conservadoramente em US$ 1,59 bilhão. Os outros quatro principais países que seguem de perto o reino eremita são EUA, Rússia, China e Reino Unido.

Coreia do Norte reina suprema

Embora a verdadeira extensão da contribuição da Coreia do Norte para as taxas globais de crimes criptos seja desconhecida, Coincub afirmou que o programa cibernético da RPDC é grande e bem organizado.

A grande maioria dos cidadãos do país luta contra a falta de insegurança alimentar e a desnutrição e a falta de acesso a serviços básicos. Eles não têm acesso à internet global. No entanto, o país se tornou uma superpotência hacker.

Economicamente isolada do resto do mundo, a Coreia do Norte conseguiu criar uma espécie de hackers que lideraram algumas das violações mais catastróficas. Quando se trata de crimes criptos, hackers norte-coreanos habilidosos roubaram fundos para os programas de armas do país realizando uma série de ataques cibernéticos lucrativos.

O relatório sugere que todos os ataques originários da RPDC provavelmente são patrocinados pelo Estado porque o acesso à Internet é controlado exclusivamente por Pyongyang. O exército cibernético do país tem como alvo governos e organizações privadas em todo o mundo, cujas receitas são despejadas no orçamento nacional de defesa.

A indústria de criptomoedas viu um grande ponto de virada em 2020-2021. Foi nessa época que um relatório da ONU afirmou que hackers norte-coreanos roubaram e lançaram mais sete ataques a essas plataformas para ajudar a financiar seu programa nuclear. A criptomoeda é uma das principais fontes de geração de renda baseada na internet no país e, devido a sanções internacionais abrangentes, todas essas transações são fraudulentas.

As Exchanges sul-coreanas continuam sendo as mais visadas. A Bithumb, por exemplo, foi atacada quatro vezes por hackers da RPDC. No total, este último embolsou US$ 60 milhões.

O grupo de hackers apoiado pelo Estado, Lazarus Group, estava por trás de algumas das maiores explorações nas últimas décadas, incluindo o ataque da Sony em 2014. em 2017.

O ataque durou mais de 7 horas, afetando cerca de 200.000 computadores em 150 países. Os principais alvos foram Rússia, Índia, Ucrânia e Taiwan. Mais recentemente, o grupo drenou mais de US$ 620 milhões da ponte Ronin da Axie Infinity no início deste ano.

O programa cibernético da RPDC, que supostamente consiste em 7.000 funcionários e operações em mais de 150 países, provavelmente realizou muitos assaltos que nunca foram comprovados. Com a rápida mudança no espaço cripto, os hackers da RPDC também se adaptaram ao Web3 e atualmente têm como alvo o DeFi, conforme várias agências governamentais dos EUA.

Crypto Winter e o Crypto Stash roubado da Coreia do Norte

Um dos regimes mais brutais e autoritários do mundo pode estar liderando o crime envolvendo criptomoedas, mas a recente desaceleração do mercado, seu estoque ilícito de moedas e tokens.

Conforme relatado pela CryptoPotato, a derrota em todo o mercado também atingiu as entidades maliciosas na Coréia do Norte. Os implacáveis ​​declínios nos mercados de criptomoedas podem ter afetado a capacidade da Coreia do Norte de realizar mais assaltos e hacks no setor.

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno. Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_