Coréia do Norte nega ganhar U$ 2 bilhões com ciberataques

Porta-voz da Coréia do Norte considera acusações como boatos hostis e faz comparação com Hitler

A Coréia do Norte negou as alegações de que obteve U$ 2 bilhões realizando ataques cibernéticos patrocinados pelo Estado à bancos e exchanges de criptomoedas.

As alegações de que o país havia usado ataques cibernéticos “generalizados e cada vez mais sofisticados” para roubar dinheiro para financiar o desenvolvimento de armas de destruição em massa (ADM) foram feitas em um relatório confidencial das Nações Unidas submetido ao Conselho de Segurança da ONU em julho deste ano.

Conforme relatado pela agência de notícias Reuters em agosto, o relatório declarou:

“Os ciber atores da República Popular Democrática da Coréia, muitos que operam sob a direção do reconhecido General Bureau, arrecadam dinheiro para seus programas de armas de destruição maciça (armas de destruição em massa), com receitas totais para data atual estimadas em até dois bilhões de dólares “.

A agência de notícias estatal KCNA da Coréia do Norte informou que um porta-voz do Comitê Nacional de Coordenação da República Popular Democrática da Coréia (RPDC) para combate à lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo disse: “Os Estados Unidos e outros países hostis estão agora espalhando boatos de que forçamos ilegalmente a transferência de U$ 2 bilhões necessários para o desenvolvimento de programas de armas de destruição em massa, envolvendo atores cibernéticos. ”

O porta-voz comparou “a fabricação de uma mentira tão pura” ao “velho truque que os propagandistas fascistas de Hitler costumavam se apegar”.

O principal entre as alegações contra a Coréia do Norte é a ideia de que o país está profundamente conectado ao grupo de hackers Lazarus, que foi vinculado a um roubo cibernético de U$ 81 milhões que atingiu o banco central de Bangladesh em 2016. O grupo também foi acusado pelo serviço de investigação dos EUA de estar ligado ao ataque de hackers na Sony Pictures em 2014.

De acordo com a declaração do porta-voz da NCC, os acusadores da RPDC fabricaram as alegações de crimes cibernéticos para justificar o uso de sanções contra o país.

O porta-voz completou dizendo:

“Essa invenção das forças hostis não passa de uma espécie de jogo desagradável que visa manchar a imagem de nossa República e encontrar justificativas para sanções e uma campanha de pressão contra a RPDC”.

*Imagem de Conan Mizuta por Pixabay

Fonte: Info Security

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.