Cosmos (ATOM): conheça a internet das blockchains

Enquanto a internet tem 4,5 bi de usuários, o mercado de criptos e blockchains está com 300 milhões, isso mostra que estamos longe da adoção estimada, uma das causas é a falta de interoperabilidade entre as redes

Cosmos (ATOM): conheça a internet das blockchains

Existem várias abordagens que permitem a interação entre cadeias, mas fazem isso entre apenas duas blockchains existentes. Nenhuma das técnicas de interoperabilidade atuais tem um impacto significativo em termos de eficiência de rede, capacidade de atualização contínua e sustentabilidade.

A solução para essas deficiências é a rede Cosmos, um ecossistema interoperável único que visa fornecer comunicação de cadeia cruzada entre várias blockchains com diferentes funcionalidades. Atualmente, Cosmos é o projeto blockchain líder com as soluções de interoperabilidade mais eficazes.

Rede Cosmos

Cosmos tem uma estrutura de rede que permite que várias blockchains paralelas interajam e compartilhem dados. O objetivo é criar a próxima Internet onde as blockchains substituem os computadores. Como resultado, nenhuma blockchain sentirá a necessidade de competir e todas elas poderão coexistir sob um ecossistema.

Funciona da seguinte forma, a camada de aplicação é separada das camadas de rede e de consenso. Isso é feito para dar agilidade aos desenvolvedores, pois eles podem criar diferentes aplicativos personalizados que têm sua própria flexibilidade e necessidades.

Junto com o gerenciamento independente de blockchains, a rede Cosmos simplifica o desenvolvimento de aplicativos, fornecendo ferramentas e plataformas necessárias. Os desenvolvedores podem aproveitar essas blockchains e módulos existentes na rede e aumentar a adoção e a liquidez em um período de tempo significativamente menor. Essa estrutura tem três camadas principais que são:

Consenso: as blockchains independentes na rede Cosmos usam um algoritmo de consenso chamado Tendermint. Esse algoritmo adota uma abordagem diferente em comparação com o consenso Nakamoto do Bitcoin e o Ethash do Ethereum.

Embora ambos sejam probabilísticos por natureza, o que significa que os blocos não são finalizados instantaneamente, o Tendermint permite que os blocos no Cosmos alcancem a finalização instantânea após os votos dos validadores, tornando a rede mais segura.

A camada de consenso do Cosmos também prioriza a segurança sobre o tempo e existência. Assim, quando uma cadeia de prova de trabalho é dividida em duas, a rede seleciona automaticamente a cadeia mais longa como primária e reverte as transações feitas na secundária.

Rede: semelhante ao Bitcoin e Ethereum, o mecanismo de consenso Cosmos Tendermint usa um protocolo para acelerar a comunicação ponto a ponto. Na camada de rede, os nós também podem contribuir para o processo de consenso. Eles são considerados como nós não validadores.

As mensagens transmitidas nas camadas de rede podem ser qualquer coisa, como propostas, bloqueios e votos. Os nós validadores e não validadores trabalham juntos para facilitar a comunicação e permitir que todos os seus pares de rede acompanhem as mensagens e transações mais recentes.

Aplicação: a camada de aplicação Cosmos define as transações feitas na blockchain e as envia para a camada de consenso. A interação entre os dois acontece via Application Blockchain Interface (ABCI). A especialidade desta interface é que ela não está limitada a nenhuma linguagem de programação. Os aplicativos criados no Cosmos podem literalmente usar qualquer linguagem para estabelecer comunicação com as camadas básicas do protocolo.

Os pilares da economia

Tendermint Core: a rede Cosmos usa várias inovações de software para tornar a plataforma interoperável mais segura e eficiente. Entre essas inovações, a mais importante que estabelece as bases para todo o ecossistema é o Tendermint Core.

É o principal bloco de construção do Cosmos Hub e outros componentes essenciais dentro do ecossistema Cosmos. O Tendermint Core traz principalmente a metodologia Byzantine Fault Tolerance (BFT) para a arquitetura de rede. Portanto, é responsável por reproduzir aplicativos usando redes blockchain existentes no ecossistema.

Simplificando, ele funciona como um substituto plug-and-play para você entrar em outros universos blockchain. Por exemplo, você pode pegar a base de código Ethereum e executá-la na rede Cosmos usando o aplicativo ABCI. De fato, o Cosmos superou os gargalos do Ethereum transportando o EVM para o Cosmos. Foi chamado de Ethermint.

Protocolo IBC: o protocolo IBC fornece o fator de interoperabilidade. Ele ajuda a estabelecer a comunicação entre blockchains usando um modelo de hub e zona. Os hubs gerenciam várias zonas. E as zonas se comunicam indiretamente com a ajuda do IBC. Ele não faz isso diretamente porque isso prejudicaria a escalabilidade da blockchain.

SDK do Cosmos: os desenvolvedores podem evitar a criação de aplicativos do zero, pois podem aproveitar o módulo Cosmos PoS para proteger a base. Além disso, eles podem fazer toda a personalização necessária.Isso é prova de que o Cosmos torna as blockchains mais poderosas e fáceis de implantar com a modularidade fornecida por meio de seu SDK.

Mesmo em termos de segurança, é superior. Muitas blockchains populares baseadas em aplicativos são criados no Cosmos SDK. Algumas delas são Binance Chain, Terra e Kava.

Blockchains interoperáveis ​​são o futuro

Se não retirarmos as blockchains e seus dados dos locais em que elas funcionam atualmente, seria extremamente difícil para os usuários navegarem no ecossistema fragmentado. É por isso que, se queremos uma adoção generalizada da tecnologia blockchain, é crucial melhorar a interoperabilidade das blockchains.

Além disso, taxas de transação mais baixas e maior escalabilidade são outras preocupações que precisam ser abordadas. Nesse sentido, a rede Cosmos nos dá esperança.

Cosmos pode criar um universo de blockchains que não competem com as outras, mas que possam funcionar em harmonia e podem maximizar a eficiência da rede e fornecer uma melhor experiência ao usuário.

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8