Criptomoedas: como os hard forks impactam essa indústria

A imutabilidade, descentralização, transparência e segurança que vieram com a blockchain mudaram o curso do mundo e o colocaram no caminho da descentralização

Criptomoedas: como os hard forks impactam essa indústria

Ao permitir que qualquer pessoa participe das operações da rede, a tecnologia blockchain lançou as bases para um mundo administrado pela comunidade, onde os usuários tomam decisões importantes. Mas, para um sistema administrado pela comunidade, sempre há a possibilidade de divergências entre os participantes.

O que acontece se os usuários da rede estiverem divididos entre dois conjuntos de regras ou dois caminhos potenciais a seguir? Isso pode parecer uma situação complicada para analisar, e é precisamente por isso que existem forks.

Um fork é uma situação em que novas regras ou alterações são feitas na rede blockchain e há um desvio da versão mais antiga da cadeia. Existem basicamente dois tipos diferentes de forks. Enquanto um soft fork é como uma atualização de software para uma rede existente, hard forks dividem a rede blockchain e a colocam em dois caminhos diferentes.

Os hard forks das redes blockchain têm sido fundamentais para a criação de um ecossistema cripto diversificado.

Hard Fork

Os participantes de uma rede blockchain, geralmente chamados de nós, são os principais responsáveis ​​pela execução do sistema. Esses nós ocasionalmente propõem mudanças na rede para trazer novas funcionalidades ou adotar novas regras. Se houver um acordo unânime com as mudanças, as mudanças são implementadas e a blockchain continua como uma única rede.

Caso os nós estiverem divididos entre se essas mudanças precisam ou não ser implementadas, a rede blockchain se divide e uma nova cadeia que implementa esses novos recursos é criada. Isso é o que se chama de hard fork. No entanto, os hard forks às vezes também são realizados de propósito por todo o conjunto de nós de uma blockchain para deixar para trás a rede mais antiga e passar para uma mais nova e mais eficiente.

Tecnicamente falando, um hard fork ocorre quando as mudanças no código são tão significativas que os novos blocos que chegam não são mais compatíveis com os blocos anteriores. A rede é dividida em duas cadeias, onde uma executa a versão mais antiga e a outra executa a versão mais recente com uma nova criptomoeda nativa.

Ao longo dos anos, hard forks na indústria de criptomoedas ajudaram a diversificar o espaço ao introduzir novos ativos digitais. Litecoin e DogeCoin, por exemplo, são hard forks da rede Bitcoin que usam sua arquitetura subjacente e ainda têm seus próprios recursos exclusivos. Esses forks permitem que a rede evolua além de seu domínio inicial, adicionando novos recursos e funcionalidades.

A parte ruim é que existe o risco de aumento da volatilidade com hard forks. No entanto, os hard forks podem melhorar significativamente o desempenho, a velocidade e a escalabilidade de uma rede blockchain e dar aos traders mais opções de ativos digitais para negociar a longo prazo.

O Bitcoin Cash

É o hard fork mais conhecido da rede Bitcoin. Quando Pieter Wuille, um dos principais desenvolvedores do Bitcoin, apresentou pela primeira vez a sua ideia em 2015, ela foi aceita como um soft fork. No entanto, a ideia de reduzir o tamanho das transações do Bitcoin não pareceu funcionar bem com os mineradores e, após alguns anos, eles iniciaram um hard fork para evitá-lo. Isso deu origem ao Bitcoin Cash em 2017.

Litecoin

A Litecoin é um dos primeiros forks do Bitcoin e foi lançado em 2011. O fork foi criado para diminuir o tempo de geração de blocos, modificar a interface gráfica do usuário (GUI) existente e aumentar o número de moedas disponíveis para staking.

Ethereum Altair

A rede Ethereum também teve seus forks ao longo dos anos, sendo o Ethereum Altair o mais recente. Esse fork é uma atualização significativa para a Beacon Chain, uma cadeia de prova de participação que funciona paralelamente à rede principal Ethereum.

O objetivo é fundir as cadeias Ethereum e Beacon para criar o Ethereum 2.0, que deverá oferecer melhor desempenho, escalabilidade e segurança. O fork Ethereum Altair é um passo significativo nessa direção. A atualização visa introduzir clientes leves, nós menores que podem ser executados em smartphones e penalidades por inatividade + redução.

Embora os hard forks tenham se mostrado importantes para o ecossistema de criptomoedas repetidamente, a comunidade ainda está dividida sobre se os hard forks devem ou não ser realizados. Algumas redes blockchain chegaram ao ponto de criar blockchains “unforkable” para preservar os princípios originais da rede.

No entanto, o fork dá aos usuários o poder de controlar a direção da rede e, se bem planejado, pode expandir prontamente o ecossistema de criptomoedas nos próximos anos tornando ainda mais atrativa essa tecnologia.

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8