Defi e a atividade produtiva

Enquanto muitos buscam a centralização da internet, uma parte da humanidade está migrando para as finanças descentralizadas – Defi

Defi e a atividade produtiva

Uma visão de primeiros princípios sobre a inovação de serviços financeiros incidirá sobre o princípio central da tecnologia: o aumento da produtividade da atividade humana, liberando a atenção das pessoas, medida no tempo, que estas podem atribuir a atividades de lazer ou superiores.

Para esse fim, as tecnologias de rede, em particular a internet e o consequente surgimento da World Wide Web, amplificaram a produtividade humana.

Até recentemente, a coordenação digital limitava-se principalmente à troca de informações, enquanto a troca de direitos e ativos ainda exigia várias camadas de terceiros que buscam renda, frequentemente reduzindo a produtividade e a lucratividade.

O emblemático desses intermediários são os provedores de serviços financeiros que regularmente introduzem atritos nas atividades comerciais na forma de atrasos e taxas. Como uma pesquisa da Stern School of Business, mostrou que, o custo unitário da intermediação financeira até agora não diminuiu, apesar dos avanços na tecnologia da informação.

Descentralizando as finanças

O termo se refere a soluções criadas na internet e nas blockchains públicas. Os sistemas DeFi utilizam contratos inteligentes para criar soluções automatizadas, semelhantes às de serviços financeiros, sem a necessidade de uma estrutura corporativa.

Os blocos de construção atuais do DeFi incluem contratos inteligentes padronizados formando instrumentos digitais ao portador, trocas sem custódia, mercados de empréstimos descentralizados e soluções de gerenciamento de ativos em cadeia.

Os sistemas DeFi não requerem intermediários ou organizações centralizadas. Em vez disso, eles são baseados em redes abertas e aplicativos descentralizados. Os acordos são executados por software automatizado e as transações são realizadas de forma segura e verificável – ou seja, registradas em uma blockchain pública.

Essa arquitetura pode, em princípio, criar um sistema interoperável com alta transparência, direitos de acesso iguais e pouca necessidade de custodiantes, câmaras de compensação centrais ou serviços de custódia. No entanto, até o momento, o DeFi oferece um pequeno número de aplicativos, por estar limitado a ativos digitalmente nativos.

Por exemplo, os usuários podem adquirir ativos atrelados ao dólar dos Estados Unidos, depositar esses ativos em uma plataforma de empréstimo igualmente descentralizada para ganhar juros e, subsequentemente, adicionar os instrumentos que rendem juros a um pool de liquidez descentralizado ou a um veículo de investimento baseado em blockchain.

Financeirização

A financeirização é um processo pelo qual os mercados financeiros e as instituições financeiras ganham maior influência sobre a política econômica e os resultados econômicos. O impacto da financeirização pode ser observado como:

Um aumento da taxa de aproveitamento do setor financeiro em relação à atividade produtiva real

Uma transferência de renda da produção para o setor financeiro e, em última instância, um aumento da desigualdade de renda.

Como Thomas Palley e outros pesquisadores apontaram, há evidências de que uma ênfase exagerada na financeirização coloca uma economia em risco de deflação de dívida e recessão prolongada. Essas descobertas foram confirmadas em uma audiência no início deste ano perante a Comissão de Assuntos Bancários, Habitacionais e Urbanos do Senado dos Estados Unidos.

Os aplicativos financeiros descentralizados comprovarão cumprir a promessa de soluções promovidas sob o termo fintech. No entanto, a atividade econômica é baseada na entrega de bens e serviços tangíveis. E, embora o número de soluções DeFi e capital trocado usando esses sistemas, esteja crescendo constantemente, no momento o espaço ainda é amplamente limitado aos casos de uso de negociação, empréstimo e de commodities digitalmente nativas.

Nesse caso, bitcoin e ethereum, que desde meados de Novembro de 2021, juntos, representam quase 60% da capitalização de mercado de todas as criptomoedas listadas na CoinGecko.

Um sinal confiável para a evolução do DeFi para o verdadeiro Fintech 3.0 é uma redução significativa das taxas de aceitação de serviços financeiros no produto interno bruto de um país.

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8