Departamento de Justiça americano acusa autoridades da Inteligência russa por esquema de hacking envolvendo Bitcoin

Acusações apontam lavagem de dinheiro e roubo de dados de atletas internacionais

Na quarta-feira (3 de outubro) o Departamento de Justiça dos EUA (DoJ) acusou 7 oficiais da Diretoria de Inteligência da Rússia (GRU) por operações globais de hacking relacionadas ao Bitcoin.

Aparentemente, os réus sofreram acusações múltiplas de invasão de sistemas computacionais, fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e roubo de identidade.

De acordo com a mídia, o grupo supostamente pertence à uma equipe de hackers intitulada “Fancy Bear”,  e várias acusações datam de 2014.

Leia mais: Cade ouve corretoras brasileiras de criptomoedas após encerramento de contas

Segundo o relatório apresentado pelo Departamento de Justiça, para “facilitar a aquisição da infraestrutura utilizada no hacking, os réus conspiravam para lavar dinheiro por meio de uma rede de transações estruturadas para capitalizar anonimamente criptomoedas como o Bitcoin”.

Ainda de acordo com o documento, a utilização do Bitcoin “permitiu que os conspiradores evitassem se relacionar diretamente com instituições financeiras tradicionais”.

Analisando a situação, muitos acreditam que os réus criaram centenas de contas de e-mail buscando evitar deixar rastros de suas atividades.

O DoJ também acusou o grupo de financiar suas atividades através de mineração de Bitcoin e criar uma conspiração para roubar dados de 250 atletas internacionais, bem como agências antidoping ao redor do mundo.

A conspiração seria uma forma de vingança à proibição de atletas russos nas Olimpíadas após suspeita de um programa de doping apoiado pelo Estado.

Leia mais: Medici Ventures investe em plataforma blockchain para reduzir falsificação do vinho

FONTE: COINTELEGRAPH