Dificuldade de mineração do Bitcoin atinge o nível mais alto em dois anos

A dificuldade de mineração do Bitcoin aumentou 14,95%, elevando o nível para o quarto mais difícil da história

O último ajuste de dificuldade de mineração do Bitcoin é o maior em mais de dois anos, pois o nível aumentou 14,95% para 15,78T. O ajuste para cima ocorre após a rede do Bitcoin ter sofrido ajustes consecutivos para baixo desde seu terceiro halving, em 11 de maio. A última vez que a rede experimentou esse salto no nível de dificuldade de mineração foi em janeiro de 2018, depois que o Bitcoin subiu para seu preço mais alto em dezembro de 2017.

Em janeiro de 2018, a dificuldade de rede do Bitcoin aumentou 16,84%. O aumento para 15,78T aproxima a dificuldade de atingir 16T, que só foi atingida duas vezes em 2020: em março e no início de maio, na preparação para o halving.

Fig 1: 15.78T é a sétima maior marca do Bitcoin em ajuste de dificuldade positiva desde 2017 e o nível mais alto desde janeiro de 2018. Fonte: Glassnode

 

O aumento significa que os mineradores agora enfrentam um nível de dificuldade para as próximas duas semanas, que é o quarto mais difícil desde o lançamento do Bitcoin em 2009.

Maior hashrate

O ajuste desta semana mostra mais mineradores retornando à rede, aumentando o hashrate da rede após um declínio nas semanas após o halving. Com as recompensas do bloco cortadas de 12,5 Bitcoins para 6,25 Bitcoins, alguns mineradores desligaram suas máquinas, com hashrate caindo ao lado da dificuldade.

Contudo, o hashrate do Bitcoin aumentou gradualmente e subiu cerca de 8% nos últimos sete dias. A média móvel de 14 dias subiu consecutivamente desde os últimos ajustes em 20 de maio e 4 de junho.

Fig 2: Bitcoin hashrate. Fonte: Bitinfocharts

 

O retorno de mineradoras com plataformas antigas ou ineficientes e o lançamento de novos ASICs por empresas chinesas fizeram poder de hash aumentar de 98 terahashes (TH/s) para 113 exahashes por segundo (EH/s).

Os mineradores agora precisam de 1 TH/s para gerar 0,000008 Bitcoin em um dia, no valor de US$ 0,08, seguindo os preços atuais. O salto no ajuste de dificuldade é, portanto, definido para reduzir as margens de lucro dos mineradores, e se máquinas mais eficientes, como a Antminer S19 desenvolvida pela Bitmain, inundarem o mercado, os mineradores menos eficientes terão que desligar se não forem mais rentáveis.

Recentemente a plataforma de derivativos de criptomoedas FTX lançou um contrato de futuros que permite que os investidores apostem contra a dificuldade do Bitcoin. Até o momento, os contratos Q3 e Q4 da bolsa estão em US$ 17,3, o que significa que os traders esperam que hashrate e a dificuldade de mineração do Bitcoin subam nos próximos dois trimestres.

Fonte: CoinJournal

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.