El Salvador: cresce a adoção de Bitcoin

A decisão de ser o primeiro país a permitir que o Bitcoin tenha curso legal parece estar encontrando o favor da maioria dos cidadãos de El Salvador, como evidenciado pela adoção crescente.

O presidente do país, Nayib Bukele, o protagonista desta decisão revolucionária, foi quem deu a notícia. Em 14 de novembro, ele anunciou com entusiasmo que os salvadorenhos são os líderes mundiais no uso de Bitcoin.

O mais recente foi o embaixador alemão em El Salvador, Peter Woeste, que postou uma foto no Twitter dele mesmo fazendo uma compra usando Bitcoin.

Depois de algumas dificuldades iniciais e alguns protestos dos cidadãos, agora parece que a adoção do Bitcoin está se tornando cada vez mais comum, mesmo para fazer pequenas compras no país da América Central.

El Salvador atrai investidores para o Bitcoin.

Nos últimos dois meses, o governo tentou facilitar ao máximo a adoção da criptomoeda e as atividades a ela relacionadas, como a mineração. E muitos investidores estrangeiros em cripto parecem estar interessados.

O vice-presidente de El Salvador, Félix Ulloa, disse há poucos dias:

“Gente da Ásia, da América do Sul, da Rússia, têm interesse em investir em El Salvador”.

Para atrair investidores e mineradores de cripto, Bukele sempre usou seu meio favorito, o Twitter, para anunciar incentivos e leis favoráveis, como o cancelamento do imposto sobre ganhos de capital para o Bitcoin ou a concessão de residência permanente imediata, para todos os empresários em moedas digitais, interessados ​​em transferir seus negócios para o país centro-americano.

Ulloa, em entrevista ao jornal britânico Politico, disse o seguinte:

“Um investidor suíço me disse que está interessado em trazer cerca de 13.000 a 15.000 máquinas para minerar o Bitcoin”.

Mas ainda existem problemas.

Ainda existem muitos problemas, sendo um deles o grande dispêndio de energia que a mineração exige, que o país gostaria de resolver com um projeto de exploração da energia geotérmica dos vulcões.

Outro problema é o potencial uso da mina por cartéis de drogas em uma área onde o tráfico de drogas é generalizado, segundo Ricardo Navarro, chefe da ONG ambiental Salvadoran Center for Appropria:

“700 quilos de cocaína apreendidos recentemente pelas autoridades espanholas, que vieram de El Salvador”.

Por fim, há o grande problema da extrema volatilidade do Bitcoin, que pode afetar o poder de compra dos cidadãos. Um problema que até o vice-presidente Ulloa admitiu.

“Como você pode garantir pagamentos regulares? Você pode estar agora em US$ 66.000 e amanhã pode estar em US$ 40.000, e essa é uma das críticas a essa moeda”.

Na tentativa de resolver essa preocupação, o governo fará uma licitação para quem puder oferecer um contrato financeiro para manter o valor do Bitcoin estável para pagamentos de salários e pensões.

Mas esses contratos futuros também poderiam ser usados ​​para cobrir eventuais perdas aos cofres públicos, considerando que o Tesouro atualmente possui cerca de 700 Bitcoin.

Fonte: Cryptonomist

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8