Entenda como o Bitcoin pode ajudar a economia em diversos países

O maior argumento contra as criptomoedas é que, ao contrário das moedas fiduciárias, elas não têm o apoio de nenhum governo. Como várias quedas de avaliação mostram, o apoio do governo não é o que costumava ser. E ai vem a pergunta: o quanto bitcoin pode ajudar a economia dos países atualmente?

Vejamos os seguintes cenários.

Polegar para baixo para a Grã-Bretanha
A Moody’s rebaixou a classificação de crédito do Reino Unido de Aa1 para Aa2 em 22 de setembro, citando o enfraquecimento das finanças públicas e questionando os planos de consolidação fiscal do governo. A libra esterlina, que estava lentamente se recuperando após o desastre do Brexit, imediatamente perdeu terreno após a queda da classificação. Outras agências de rating como a S&P e a Fitch derrubaram o Reino Unido para AA em 2016.

O Reino Unido sofreu o seu primeiro rebaixamento da classificação, tanto a Moody’s quanto a Fitch, em 2013. Isso encerrou um período de 35 anos com o AAA, e tem estado em uma derrapante tendência de baixa desde então.

China em uma situação difícil
Um dia antes do Reino Unido ter sido rebaixado pela Moody’s, a S&P reduziu a classificação soberana da China, baixando-a de AA para A+. De acordo com a S&P, o crescimento prolongado do crédito da China aumentou seu risco econômico e financeiro. O corte na classificação trouxe a classificação da S&P para o mesmo patamar de outras agências de classificação de risco. É irônico que a China tenha agido contra ICOs e casas de câmbio de criptomoedas pouco antes de sua própria classificação ter sido rebaixada.

EUA e Japão à deriva para baixo
Embora as classificações soberanas dos Estados Unidos e do Japão não tenham sido cortadas recentemente, a tendência foi negativa. Os EUA foram rebaixados pela S&P da AAA para a AA+ em 2011, depois de serem avaliados como AAA por 70 anos. Uma vez que o dólar é a principal moeda de reserva do mundo, a classificação do governo dos Estados Unidos tem grande significado nos mercados financeiros globais. Com a dívida nacional dos EUA passando de US$ 20 trilhões recentemente, a credibilidade do país provavelmente não melhorará em breve. O Japão, que foi avaliado como Aaa pela Moody’s desde 2009, viu cortes de rating múltiplos nos últimos oito anos. Atualmente é avaliado A1/A+ pela Moody’s/S&P.

Leia também: Mastercard planeja aderir a Blockchain na sua infra-estrutura de pagamentos

O apoio do governo é importante?
Uma moeda fiduciária deriva seu valor do apoio do governo. Enquanto as moedas eram inicialmente apoiadas pelo ouro, os governos de todo o mundo sentiram que isso restringia sua capacidade de imprimir moeda e expandir suas economias, e o padrão-ouro foi retirado há muito tempo. Hoje, o dólar norte-americano, como todas as moedas fiduciárias, é apoiado apenas pela “plena fé e crédito” do governo da nação. Claramente, essa “fé e crédito” não é o que costumava ser.

Políticas governamentais equivocadas podem resultar no valor da moeda fiduciária se depreciando rapidamente. Felizmente, o Bitcoin é apoiado pela matemática e nada mais.

A prática é bem simples. É melhor depositar o valor da moeda no crédito depositado pelo governo (modelo atual) ou pela nação (modelo do bitcoin e outras criptomoedas)? O que acham? Deixem sua opinião nos comentários.

 

Fonte: Cointelegraph
Edição: Webitcoin